Hospital CUF Viseu inicia Radioterapia Intraoperatória no tratamento do Cancro da Mama

CUF Viseu inicia Radioterapia Intraoperatória no tratamento do Cancro da Mama

O Hospital CUF Viseu realizou, pela primeira vez no Distrito de Viseu, uma cirurgia com Radioterapia Intraoperatória para tratamento do Cancro da Mama, o que permitiu à doente intervencionada um maior conforto e recuperação mais rápida.

Este tipo de tratamento apresenta a enorme vantagem de juntar a cirurgia e a radioterapia num episódio de tratamento único.

As doentes que vivem longe do centro de radioterapia são especialmente beneficiadas, já que esta opção dispensa as deslocações diárias para realização do tratamento.

 

As equipas de Ginecologia e Oncologia juntaram-se para que fosse possível prestar à doente o tratamento mais indicado e mais vantajoso, com acesso a uma equipa de excelência e tecnologia de ponta. Neste procedimento, realizado totalmente no bloco operatório do Hospital CUF Viseu em finais de março do presente ano, intervieram, na área da cirurgia, o ginecologista Francisco Cortez Vaz e o cirurgião Fleming de Oliveira (coordenador da Unidade da Mama do Instituto CUF Porto). Estiveram também presentes o radioncologista Paulo Costa, do Instituto CUF Porto, e a física médica Fernanda Ponte.

 

O Hospital CUF Viseu conta com uma equipa multidisciplinar nesta área da mama, composta por especialistas diferenciados de Cirurgia Mamária, Ginecologia, Radioterapia, Oncologia Médica, Anatomia Patológica e Imagiologia. É em reunião multidisciplinar que se tomam as decisões terapêuticas, como foi o caso da escolha desta técnica para o tratamento do cancro de mama.

 

O cancro da mama é o tumor mais frequente na mulher. Estima-se que surjam em Portugal 4500 novos casos por ano, ou seja 11 novos casos/dia, morrendo por dia quatro mulheres com esta doença. Graças ao diagnóstico precoce e aos tratamentos disponíveis, a mortalidade tem vindo a diminuir.

 

O que é a radioterapia intraoperatória?

A radioterapia intraoperatória com radiação de baixa energia é uma técnica inovadora que permite a aplicação de uma dose única e concentrada de radiação no tumor no decurso da cirurgia conservadora da mama, evitando a deslocação diária durante cerca de cinco semanas - o tempo de duração do tratamento clássico - a um Centro de Radioterapia.

Tem indicações bem definidas em consensos internacionais, ou seja, só deve ser aplicada em determinados casos de cancro da mama. As principais indicações para a realização desta técnica são: mulheres com mais de 60 anos, candidatas a cirurgia conservadora, com uma lesão apenas, que tenha menos de 2cm e sem invasão dos gânglios linfáticos da axila pelo tumor.

Saiba mais sobre "Radioterapia intraoperatória e cancro da mama" aqui.