Luxação do ombro

Luxação do ombro

Pelas suas características, a articulação ombro é aquela que mais frequentemente se desloca. De facto, embora seja muito móvel é também muito instável e mantida na sua posição por um conjunto de estruturas ligamentares e musculares.

 

A deslocação anterior é a mais comum e corresponde a cerca de 98% dos casos. De facto, a luxação anterior do ombro é a mais frequente nos serviços de urgência hospitalares.

 

Pode ocorrer também luxação posterior, sendo as variantes superior e intra-torácica mais raras e complicadas.

 

Um dos mecanismos mais comuns é a queda. A luxação do ombro é mais comum nos homens entre os 20-30 anos e nas mulheres por volta dos 60-80 anos.

 

Existe uma possibilidade de nova luxação de cerca de 50%.

 

As luxações do ombro são mais comuns no adolescentes do que nas crianças porque nestas as placas de crescimento são mais frágeis e tendem a partir antes que ocorra luxação.

 

No adulto mais idoso, os ligamentos que suportam a articulação estão mais fracos facilitando a ocorrência de luxação.
Entre os 18-25 anos, as actividades desportivas são a principal causa de luxação do ombro. Nos idosos, as quedas são o principal factor envolvido.

 

Factores de risco para a luxação do ombro

A luxação anterior do ombro resulta de um movimento do braço em extensão para fora e com rotação externa, como ocorre no serviço do voleibol. As quedas sobre um braço em extensão são outro factor de risco.

 

De um modo geral, todos os desportos que envolvem lançamento se podem associar a este quadro, bem como os desportos de contacto.

 

Bons exemplos são os desportos de combate, o alpinismo, andebol, ginástica e snowboarding.

 

As actividades de lançar um objecto, de o apanhar, de pentear o cabelo, uma rotação na cama, todas podem causar uma luxação do ombro.

 

As luxações posteriores resultam de uma rotação interna com movimento do braço para dentro. Algumas causas possíveis são uma queda, uma crise epiléptica, um choque eléctrico ou um impacto directo.

 

Sintomas da luxação do ombro

Os doentes com luxação do ombro referem dor intensa e uma limitação dos movimentos no braço afectado.

A forma arredondada do ombro adquire um formato mais quadrangular.

Uma das complicações da luxação do ombro é a possibilidade de recaída.

 

A luxação do ombro pode ainda associar-se a fracturas, a lesão do nervo axilar ou radial que pode requerer cirurgia e a lesões vasculares que podem comprometer a circulação do braço.

 

A presença de adormecimento em algumas regiões do ombro, braço ou mão devem fazer suspeitar de compromisso de um nervo.

 

Diagnóstico da luxação do ombro

O exame médico é essencial e permite fazer o diagnóstico. Cada tipo de luxação apresenta sinais diferentes que o médio pode avaliar.

É importante avaliar o nervo axilar bem como outros nervos musculocutâneos.

 

O estudo radiográfico é essencial.

A angiografia e o Doppler permitem avaliar potenciais lesões vasculares e a electromiografia avalia a integridade das estruturas nervosas.

 

Tratamento da luxação do ombro

O tratamento da luxação do ombro consiste na sua redução através de uma manobra suave mas firme, realizada sob analgesia ou sedação.

Depois de uma manobra de redução bem conseguida, é importante a imobilização do ombro e a realização de uma radiografia de controlo.

Em casos de luxações recorrentes, pode ser necessária uma cirurgia de reparação da articulação.

 

Prevenção da luxação do ombro

Para prevenir uma recaída, é importante evitar a participação imediata em actividades desportivas, bem como realizar gestos que impliquem a rotação externa do braço e o seu movimento para fora, como pentear o cabelo.
 

 

Fontes

  • American Academy of Orthopaedic Surgeons, 2013
  • Nuno Sampaio Gomes e col, Doenças da coifa dos rotadores, Secção do Ombro da Sociedade Portuguesa de Ortopedia e Traumatologia
  • Mayo Foundation for Medical Education and Research, Agosto 2010
  • N. Cicak, Posterior dislocation of the shoulder, J Bone Joint Surg [Br] 2004;86-B:324-32.
  • Traumatic Shoulder Dislocation, American Orthopaedic Society for Sports Medicine, 2008.
  • Martin J. Kelley e col., Frozen Shoulder: Evidence and a Proposed Model Guiding Rehabilitation, J Orthop SportsPhys Ther 2009; 39(2):135-148.
  • Simovitch R e col., Acromioclavicular joint injuries: diagnosis and management, J. Am Acad Orthop Surg. 2009 Apr;17(4):207-19.
  • Acromioclavicular (AC) Joint injury, A guide to prevention and management, Sports Medicine Australia
  • Johns Hopkins Department of Orthopaedic Surgery, 2012
  • Habermeyer P, Tendon ruptures of the shoulder, Orthopade, 1989, Aug;18(4):257-66
     

Conteúdo elaborado com o apoio de InfoCiência