Nutrição
Nutrição

Portugal é um país de praticantes de atividade física e desporto. E sendo o desporto de hoje, uma competição cada vez mais difícil, onde os clubes apresentam capacidades e estruturas cada vez mais semelhantes, não pode existir uma abordagem de improviso. Torna-se então importante apostar em pequenos pormenores que poderão fazer a diferença em determinados momentos competitivos. A nutrição poderá fazer essa diferença.

 

Mas não só no desporto de alta competição a nutrição tem interesse. Cada um de nós, na sua corrida, no seu passeio de bicicleta, na sua ida ao ginásio deve saber o que ingerir antes, durante e após o seu treino.

 

O desporto exige um gasto extenso de energia durante os treinos e competições, incluindo corridas rápidas, treino de resistência, saltos, exercícios de força e flexibilidade. No entanto, são muito diferentes as exigências físicas a que cada desportista é submetido.

 

Cabe à Nutrição, sensibilizar e apostar numa alimentação mais consciente, com base científica, e que encaminhe cada praticante para o seu sucesso desportivo. Uma correta alimentação nos momentos pré, intra e pós competitivos pode ajudar a explorar e promover uma melhor performance.

 

A avaliação antropométrica, a anamnese alimentar criteriosa permite que se criem estratégias que possam conciliar as necessidades nutricionais do desportista com os seus hábitos alimentares, estilo de vida e preferências. As prescrições devem ser flexíveis de modo a tornarem-se hábitos alimentares regulares, corrigindo desvios alimentares e contornando patologias. Assim, o estado de saúde, será melhorado, bem como o rendimento físico, uma vez que uma correta alimentação tem a finalidade de diminuir o risco de lesão, melhorar a recuperação, aumentar as reservas energéticas, retardar a fadiga muscular e melhorar o peso e composição corporal.

 

Uma boa nutrição não garantirá, por si só, o sucesso em determinado exercício ou atividade física, mas na sua ausência nunca conseguirá expressar o seu potencial máximo.