5 razões (científicas) para fazer desporto

Recapitulamos alguns dos benefícios - comprovados cientificamente - da prática regular de exercício físico.
Publicado por: CUF em 11 de Junho 2015
Tags: diabetes , doenças cardiovasculares , excesso de peso , exercício físico , exercício físico e coração , exercício físico e diabetes
5 razões (científicas) para fazer desporto

1. Melhora a capacidade de raciocínio e a memória

Alguns estudos sugerem que praticar exercício físico aumenta os níveis de algumas moléculas do cérebro importantes para a cognição. Um ensaio clínico publicado no Journal of the American Medical Association e que envolveu pessoas com mais de 50 anos que tinham problemas de memória, apurou que os participantes que praticaram exercício físico ao longo de seis meses obtiveram resultados mais elevados em testes cognitivos.

 

2. Faz bem ao coração e aos vasos sanguíneos

Sabia que, de acordo com uma pesquisa levada a cabo pela Harvard School of Public Health, caminhar 30 minutos todos os dias diminui em 18% e reduz o risco global de doença arterial coronária? Vários estudos realizados nas últimas décadas têm vindo a reforçar a ideia que fazer exercício físico regularmente diminui o risco de doença cardíaca, visto que tem um efeito benéfico na redução dos fatores de risco de doença cardiovascular.

 

3. Diminui o risco de vários tipos de cancro

Vários estudos demonstraram que praticar exercício físico regularmente reduz o risco de vários tipos de cancro, em particular o cancro da mama, colo-retal e cancro da próstata. Reserve 30 minutos diários (no mínimo) para praticar uma atividade física.

 

4. Previne o excesso de peso e a obesidade

Por seu turno, o excesso de peso e a obesidade estão associados ao desenvolvimento de doenças cardiovasculares e diabetes, bem como a taxas de mortalidade mais elevadas em mais de dez tipos de cancros.

 

5. Fortalece os ossos

As investigações nesta área indicam que a prática de exercício físico aumenta e ajuda a manter a massa óssea, reduzindo o risco de osteoporose. À semelhança do que acontece com os músculos, os ossos tornam-se mais fortes quando são forçados a suportar mais peso que o normal.