Como lidar com a doença bipolar

Saiba mais sobre a doença bipolar e descubra como pode aprender a viver com ela.
Publicado por: CUF em 21 de Janeiro 2016
Tags: depressão , doença bipolar , doença maníaco-depressiva , mania

Só em Portugal, a doença bipolar afeta mais de 200 mil pessoas, o que corresponde a aproximadamente 2% da população. Também conhecida como doença maníaco-depressiva, esta provoca alterações drásticas de humor, sendo por isso capaz de causar graves problemas no plano pessoal e social. É uma doença de difícil diagnóstico, para a qual não é conhecida cura, e que se pode manifestar de diversas formas. As suas crises, em particular, tanto podem levar apenas alguns dias como vários meses a passar, pelo que devem ser devidamente acompanhadas.

 

Tipos de doença bipolar

A doença bipolar pode ser definida através de dois tipos distintos de crise, cada um com os seus sintomas específicos:

  1. Mania: Estado caracterizado por estado de humor elevado e expansivo, eufórico ou irritável;
  2. Depressão: Estado caracterizado por tristeza, apatia e inquietação.

 

A alternância entre fases de mania e depressão pode durar dias (ciclos rápidos) ou meses e ter diferentes níveis de gravidade, consoante os sintomas sejam mais ou menos acentuados. Podem igualmente verificar-se crises mistas, nas quais coexistem sintomas de mania e de depressão.

 

Fatores de risco

Não são, ao certo, conhecidas as causas da doença bipolar. No entanto, existem alguns fatores que os especialistas consideram de risco para o desenvolvimento da doença:

  • Fatores genéticos e biológicos;
  • Exposição continuada a situações de stresse;
  • Uso de substâncias prejudiciais à saúde do cérebro.

 

Por outro lado, é na juventude que, na maior parte dos casos, a doença bipolar se começa a manifestar, isto embora possa também ocorrer já na fase adulta.

 

Sinais de alarme

Todas as pessoas experimentam variações de humor e, como tal, os sintomas da doença bipolar são frequentemente ignorados, podendo a doença levar bastante tempo até ser diagnosticada. No entanto, há pequenos sinais aos quais deve ter atenção, especialmente se forem atípicos, já que podem indiciar doença bipolar.

  • Variações emocionais súbitas;
  • Variações repentinas de autoestima;
  • Longos períodos de energia e bom humor (hipomania);
  • Incapacidade de terminar tarefas;
  • Irritabilidade extrema;
  • Desinibição incaracterística;
  • Alterações no apetite;
  • Alterações no sono;
  • Delírios;
  • Discurso demasiado rápido, falando por cima das outras pessoas;
  • Perda de interesse pelas atividades do dia a dia;
  • Retração social.

 

Em algumas pessoas, estes sintomas são mais prováveis em certas alturas do ano, tornando-se mais fácil prever eventuais futuras crises.

 

Como tratar

A doença bipolar não tem cura, mas pode ser tratada e controlada. Se suspeita que pode ser bipolar, deve consultar-se com um médico psiquiatra. Consoante o caso, poderão ser-lhe receitados medicamentos antidepressivos, antipsicóticos ou estabilizadores do humor capazes de reduzir a probabilidade de novas crises. Poderá ainda ser-lhe definido um plano de tratamento a longo prazo, que passará também pela identificação e correção de comportamentos passíveis de desencadear as crises ou pela integração em grupos de apoio ou psicoterapia individual.

 

Atenção!

Não permita que a doença bipolar o incapacite fisicamente nem lhe preencha os pensamentos no dia a dia. O primeiro passo para aprender a viver com a doença é não se deixar dominar por ela.

 

Artigo relacionado

Esquizofrenia