Época balnear: cuide dos ouvidos, nariz e garganta

Regra geral, o verão é benéfico para a nossa saúde. No entanto, deve aprender como prevenir as patologias mais frequentes nesta época.
Publicado por: José Saraiva em 12 de Junho 2014
Tags: época balnear , garganta , otorrinolaringologia , otorrinolaringologista , ouvidos
Época balnear: cuide dos ouvidos, nariz e garganta

O verão aproxima-se e, com ele, as férias da maioria da população. Esta é a altura de ir à praia ou à piscina, ao campo, às termas ou, até, fazer alguma viagem de avião para um destino mais longínquo. O clima que se espera nesta altura do ano proporciona a melhoria de algumas situações da via aérea mas certas atividades podem também potenciar determinadas situações do foro otorrinolaringológico. Nas próximas linhas, fique a conhecer algumas das patologias mais frequentes nesta estação do ano e como pode preveni-las.

 

Benefícios da praia

Regra geral, a praia é benéfica para o nariz e garganta. Quem sofre de rinite, sinusite ou faringite crónica melhora os seus sintomas com os banhos de mar. Para tal contribuem diversos fatores, desde a redução da quantidade de alergénios presentes no ar em relação à primavera, o efeito físico positivo da entrada de água no nariz, a temperatura mais elevada e menores amplitudes térmicas entre o dia e a noite. Do mesmo modo, as crianças com problemas crónicos dos ouvidos, nariz e garganta, nomeadamente as que têm otite serosa crónica, rinite, hipertrofia ou inflamação de amígdalas e adenoides, melhoram com as brincadeiras à beira-mar e com os banhos.

Excetuando as crianças que têm indicação médica contrária, não é necessária qualquer proteção dos ouvidos, nomeadamente com tampões ou a evicção da entrada da cabeça dentro de água.

 

Problemas mais frequentes

Alguns problemas são mais frequentes nos banhistas, como as otites externas. Nesta situação há uma infeção do canal auditivo externo, provocando dor, sensação de ouvido tapado e, por vezes, saída escassa de pus. A entrada e retenção de água no canal auditivo pode ser a causa desta situação, principalmente nos indivíduos com outras condições associadas como eczema do canal auditivo, exostoses (canal auditivo mais estreito por crescimento ósseo) ou acumulação anómala de cerúmen.

 

Se for este o seu caso, aconselhamos o controlo destas situações, quando possível, com gotas auriculares, evicção de colocação de objetos no canal auditivo como cotonetes, cuidada limpeza da orelha e entrada do canal auditivo após o banho, realizada apenas com uma toalha macia e o dedo. Caso estas situações sejam frequentes deve consultar o seu otorrinolaringologista antes de iniciar a época balnear.

 

Mergulho e desportos aquáticos

Se praticar atividades como o mergulho em apneia ou com garrafa não se esqueça das regras básicas. Nunca mergulhe se estiver constipado, com uma crise alérgica ou com o nariz tapado, sob o risco de não conseguir fazer a equalização do ouvido médio com a pressão atmosférica, provocando, eventualmente, uma lesão importante no ouvido.

 

No caso de realizar atividades muito expostas ao vento ou à entrada de água no ouvido, associado a diferenças de temperatura, como o surf, bodyboard, kitesurf, windsurf ou vela poderá valer a pena utilizar tampões nos ouvidos, tendo o cuidado de escolher uns que sejam fabricados com um material macio e impermeável, idealmente feitos à medida. Aconselhamos, nestes casos, consultar primeiro um médico da especialidade.

 

No campo

Se for para o campo, deve contar também com umas férias sem grandes problemas. Não obstante, alguns doentes com rinite alérgica podem ter um agravamento dos sintomas dependendo da zona que visitem e do tipo de alergénios presentes na mesma. Se for o seu caso, não se esqueça de levar consigo a sua medicação habitual como o corticoide nasal e o anti-histamínico.

 

Nas termas

Esta época do ano também é propícia à visita das termas. São sempre locais agradáveis e que proporcionam umas férias diferentes e calmas. Desde a Antiguidade que utilizamos estes locais para tratamento ou melhoria de inúmeras condições médicas onde se incluem problemas respiratórios. A maioria das pessoas nota uma melhoria dos sintomas associados a rinite, sinusite e faringite crónicas e algumas termas estão mais vocacionadas para o tratamento destas doenças.

 

Viagens de avião

Se viajar de avião existem algumas medidas que deve adotar de modo a ter uma viagem agradável, sem desconforto a nível dos ouvidos na subida e na aterragem:

  • Se tiver sintomas nasais nos dias precedentes à viagem deve de imediato tentar resolvê-los com medicação tópica (gotas ou spray nasal) e medicação oral (anti-inflamatório; anti-histamínico), com a ajuda do seu médico assistente ou especialista. 
  • No dia da viagem pode colocar gotas de descongestionante nasal em ambas as narinas e durante a subida e descida deve abrir e fechar a boca repetidamente de modo a otimizar a equalização da pressão do ouvido médio com a pressão atmosférica.
  • Se for para um país distante com dificuldade de acesso a medicamentos, não se esqueça de incluir na sua “farmácia de viagem” um anti-histamínico e um anti-inflamatório.

 

Previna... e aproveite o verão
Concluindo, o verão é habitualmente uma estação benéfica para a nossa saúde. As situações menos positivas são relativamente raras e, na sua maioria, evitáveis desde que tenhamos os cuidados gerais e bom senso.

 

Artigo Relacionado

Amigdalite