Herpes labial: como e quando atuar

É um problema comum, que muitas vezes se resolve sem que seja necessário tratamento. Mas há alguns cuidados que pode tomar para reduzir o desconforto e acelerar a cicatrização.
Publicado por: CUF em 27 de Agosto 2019
Tags: herpes , boca , lábios
Herpes labial ativo

O vírus herpes simplex é o responsável pelo herpes labial. Habitualmente, a primeira exposição ao vírus ocorre numa idade ainda jovem, após o contacto com alguém com herpes. No entanto, não costuma provocar sintomas até que a pessoa seja mais velha.

Embora as lesões do herpes labial surjam sobretudo nos lábios ou em seu redor, não estão limitadas a esta zona; podem também manifestar-se na língua, nas bochechas, na região entre o lábio superior e o nariz, no nariz ou no seu interior, no queixo ou perto das orelhas. Nestes casos, é denominado herpes orofacial.

Atualmente, não existe cura para o herpes labial e é comum que ocasionalmente as lesões voltem a aparecer. Contudo, é possível adotar alguns cuidados que podem diminuir a gravidade, a frequência e a duração do episódio de herpes.

 

Sintomas do herpes labial

As primeiras manifestações começam, geralmente, com uma sensação de formigueiro, comichão e ardor. Nas 48 horas seguintes, poderão surgir pequenas bolhas cheias de líquido claro (vesículas) em qualquer zona do rosto, que são contagiosas.

Cerca de dez dias após o seu aparecimento, estas lesões tendem a cicatrizar e secam formando crostas. Durante este processo, poderá ocorrer incómodo ou dor, mas as lesões curam sem deixar marcas na pele.

 

O que pode fazer quando está com herpes

  • Prefira alimentos frescos e macios
  • Lave as mãos com sabonete e água antes e após a aplicação de pomadas no local
  • Evite os fatores que podem levar ao desenvolvimento de herpes, como a exposição solar
  • Aplique batom do cieiro com protetor solar - no mínimo, com fator de proteção solar 15 - se já identificou a exposição ao sol como um fator que favorece o seu surgimento
  • Tome paracetamol ou ibuprofeno se sente dores e inchaço

 

...e o que não deve fazer

  • Não beije ninguém enquanto estiver com lesões
  • Não partilhe qualquer objeto que entre em contacto com as suas lesões, como talheres, batons ou as pomadas para o tratamento do herpes
  • Evite tocar na lesão
  • Evite alimentos muito ácidos, picantes ou salgados

 

Soluções de farmácia

O seu farmacêutico também pode ser um aliado na luta contra o herpes labial, podendo recomendar-lhe, por exemplo:

  • Pomadas que aliviam a dor e irritação
  • Pomadas antivirais que aceleram a cura da lesão
  • Adesivos que protegem a pele durante a recuperação

 

Se sofre de herpes labial com regularidade, aplique pomadas antivirais precocemente, assim que detetar a sensação de formigueiro; estes medicamentos não são tão eficazes quando aplicados apenas mais tarde quando surgem as bolhas ou vesículas.

 

É caso para ir ao médico se...

Se está preocupado com as lesões ou se duvida que se pode dever a outro problema que não herpes labial, peça aconselhamento junto do seu médico assistente. Recorra sempre ao médico se:

  • Após dez dias, o herpes labial ainda não começou a cicatrizar
  • A lesão é muito extensa e provoca dor
  • Tem gengivas inchadas e com dor, assim como lesões na boca (gengivoestomatite)
  • Está grávida (risco acrescido de herpes neonatal)
  • Tem um sistema imunitário enfraquecido (por exemplo se sofre de alguma doença crónica)

 

O que pode incluir o tratamento médico

O seu médico assistente poderá prescrever-lhe comprimidos antivirais caso as lesões sejam muito grandes, dolorosas ou se forem recorrentes.

Bebés, mulheres grávidas e pessoas que tenham um sistema imunitário enfraquecido podem ser direcionadas para o hospital para aconselhamento ou tratamento.

 

Atenção!

Recomenda-se muito cuidado enquanto tiver herpes no sentido em que não deve dar beijos, sobretudo a bebés, pois há o risco de desenvolver herpes neonatal, muito perigoso para recém-nascidos.