Laringite aguda: como atuar?

O pico de incidência é aos 2 anos e é mais frequente nos rapazes.
Publicado por: Mónica Cró Braz em 12 de Agosto 2014
Tags: dificuldade em respirar , estridor , febre , laringite , rouquidão , tosse

A laringite aguda é uma doença infeciosa, na sua grande maioria causada por vírus (por exemplo parainfluenza, influenza, vírus sincicial respiratório, adenovírus, rinovírus, entre outros).

Ocorre geralmente entre os 3 meses e os 5 anos, com um pico de incidência aos 2 anos. É mais frequente no rapaz e no inverno, apesar de poder ocorrer durante todo o ano.

 

Os sintomas

A laringite aguda caracteriza-se por tosse laríngea ("tosse de cão"), rouquidão e dificuldade respiratória (estridor), agravado pelo choro e pela agitação. Por vezes, pode aparecer febre alta (> 39ºC).


O que fazer?

A laringite aguda é motivo de muitas idas à urgência, sobretudo noturnas, altura em que a dificuldade respiratória parece piorar.

 

Os pais devem:

  • Dar antipiréticos para baixar a febre.
  • Reforçar a ingestão de líquidos.
  • Colocar a criança sentada e agasalhada à janela, de forma a apanhar ar frio.
  • Vigiar sinais de alarme: se existe dificuldade respiratória, palidez, agitação e salivação em excesso, a criança deve ser avaliada num serviço de saúde.

 

Como tratar

A laringite aguda geralmente é autolimitada e de resolução simples, com recurso a corticoides e, por vezes, aerossóis de adrenalina. Em poucos casos pode ser necessário internamento para vigilância, aerossóis e oxigénio.

 

Atenção!

Caso esta "falta de ar" tenha início subitamente deve-se ter em conta a possibilidade de a criança ter aspirado um corpo estranho (por exemplo, um alimento ou brinquedo).