Pitiríase versicolor: o que é?

O nome é complicado, mas a doença não é algo do outro mundo. Aprenda a reconhecer e a lidar com este problema.
Publicado por: CUF em 14 de Junho 2018
Tags: pitiríase versicolor , pele , manchas , dermatologia
Pitiríase versicolor

A pitiríase versicolor consiste numa infeção dermatológica superficial provocada por um fungo chamado Malassezia furfur, que vive naturalmente na pele humana. É vulgarmente conhecida como "impingem" ou "impinge".

Caracteriza-se por alterações na pigmentação da pele, que pode apresentar várias cores (daí o termo versicolor), e atinge sobretudo adolescentes e jovens adultos. Não é contagiosa e não deixa cicatriz.

 

Sinais e sintomas da pitiríase versicolor

A pitiríase versicolor manifesta-se habitualmente através de manchas eritematosas hipopigmentadas (brancas ou mais claras do que o normal) e/ou hiperpigmentadas (mais escuras), sobretudo no tronco, pescoço, costas e braços. Também pode implicar descamação e prurido leve.

 

Fatores de risco

Algumas condições favorecem o risco de desenvolvimento de pitiríase versicolor. A saber:

  • Temperaturas elevadas;
  • Humidade;
  • Pele oleosa;
  • Transpiração excessiva;
  • Sistema imune fraco.

 

Como se diagnostica a pitiríase versicolor

Para estabelecer o diagnóstico de pitiríase versicolor, é necessária observação clínica e exames micológicos (para confirmar a presença do fungo).

 

Sabia que…

As manchas da pitiríase versicolor ficam com uma cor amarelo-esverdeada quando submetidas a uma luz ultravioleta, o que pode ajudar no diagnóstico.

 

Como tratar a pitiríase versicolor

Existem diferentes tipos de tratamento da pitiríase versicolor, consoante a extensão e localização das manchas. As taxas de cura são bastante elevadas, atingindo os 90%, embora possam ser necessários vários meses de tratamento e as recidivas sejam frequentes. Este tratamento inclui:

  • Antifúngicos tópicos (em champôs, loções, pomadas ou cremes);
  • Antifúngicos por via oral. Devem ser tomados apenas sob prescrição e monitorização de um médico e em casos mais graves ou repetidos, devido aos possíveis efeitos secundários, designadamente no fígado. São também uma opção quando o doente não adere ao tratamento tópico.

 

Dicas de prevenção

Para prevenir ou acelerar o tratamento da pitiríase versicolor, convém seguir alguns conselhos simples:

  • Evite a exposição ao sol e use sempre protetor solar (mesmo durante e/ou após tratamento);
  • Não utilize produtos oleosos no corpo;
  • Prefira roupas mais largas (não oclusivas), de preferência em algodão, para diminuir a transpiração.

 

Atenção!

A pitiríase versicolor não tem a ver com os hábitos de higiene. E, ao contrário do que muitas pessoas pensam, não se adquire em piscinas ou na praia.