Por que chora o bebé?

Da fome ao sono, as situações que provocam lágrimas no bebé.
Publicado por: CUF em 18 de Julho 2016
Tags: bebé , choro , cólicas , fome , sono

A mãe está biologicamente programada para atender e responder ao choro do seu filho. Ao ouvir o bebé chorar ocorrem transformações neuro-hormonais que a preparam, física e psicologicamente, para suportar o stresse e o cansaço.

Com o tempo, percebe-se que quando o bebé tem fome chora de forma energética e persistente, acalmando-se de imediato quando a mãe lhe oferece a mama. Quando tem sono, o choro é mais melódico e contínuo, diferente de quando tem alguma dor ou desconforto, em que o choro é forte e o bebé parece inconsolável.

 

Principais causas do choro

Causas físicas: ter fome; estar sujo ou molhado; roupa desconfortável; frio ou calor excessivo; sono; fadiga; excesso de estímulos.

Causas emocionais: alívio de tensão emocional; exigir a presença dos pais; insegurança; falta de atenção; pedido de consolo ou mimo.

 

É essencial os pais ficarem tranquilos

Ser sensível e estar atento às necessidades de um bebé exige muita disponibilidade por parte dos pais. É importante responder ao apelo do choro com tranquilidade, pois assim o bebé sente que o seu pedido de ajuda foi compreendido e mereceu uma resposta.

Quando as causas físicas foram excluídas e o choro persiste, podemos pensar em causas de desconforto emocional. Na maioria das vezes, o choro acalma e cede quando o bebé é confortado.

 

Como confortar o bebé

  • Pegá-lo ao colo, aconchegando-o junto ao peito;
  • Envolver o bebé com uma manta, com os braços e pernas fletidos (semelhante à posição que tinha no útero);
  • Oferecer a chucha ou colocá-lo ao peito;
  • Evitar barulho e diminuir a intensidade das luzes;
  • Embalá-lo e cantar ou colocar música que relaxe (sons da natureza) e/ou sons rítmicos.

 

Quando os pais desesperam

Há que realçar que, apesar da antecipação das necessidades do bebé por parte dos pais e do esforço para o entender e consolar, existem, no entanto, "bebés difíceis". A família, em particular os pais, ficam cansados e por vezes desesperados. Estabelece-se então um círculo vicioso entre o choro persistente da criança e a ansiedade, o cansaço e o desespero dos pais.

Para ultrapassar esta fase, sugere-se o recurso a medidas de apoio familiar:

  • Mobilizar o apoio de familiares e amigos;
  • Fazer "turnos";
  • Utilizar técnicas de relaxamento para descontrair;
  • Descansar sempre que possível durante o dia, enquanto o bebé está a dormir;
  • Ter ajuda nas tarefas domésticas;
  • Falar com outros pais que tenham problemas semelhantes;
  • Procurar apoio em "linhas de ajuda" / técnicos de saúde.