Proteja-se das picadas de insetos

Chega o calor e os insetos vêm atrás. As suas picadas não costumam ser graves, mas são incomodativas. Conheça algumas estratégias para se proteger.
Publicado por: CUF em 01 de Julho 2019
Tags: verão , picadas de insetos , comichão , melga , carraça , dengue , malária , vespa asiática
Picadas de insetos

Comichão, comichão e mais comichão. Quem já foi "picado" ou "mordido" por um inseto, sabe que é mesmo assim, seja qual for o inseto - entre os agentes mais comuns encontram-se as melgas, mosquitos, vespas, abelhas, moscardos, carraças, pulgas, percevejos e aranhas.

Felizmente, a maior parte das picadas e mordidas de insetos não são graves e melhoram passado pouco tempo. Contudo, ocasionalmente podem infetar, causar uma reação alérgica severa (anafilaxia) ou ainda existe a possibilidade de transmitirem doenças graves, como a Doença de Lyme, Zika, Dengue ou Malária.

 

Como prevenir as picadas de insetos

Existem algumas precauções que pode tomar para reduzir o risco de ser picado ou mordido por insetos. Estes conselhos tornam-se ainda mais importantes para quem já sofreu uma reação alérgica à picada ou vai viajar para uma zona de risco.

 

Estratégias contra as picadas de insetos

  • Mantenha-se calmo e movimente-se devagar se encontrar vespas ou abelhas; não agite os braços nem as enxote
  • Cubra a pele exposta usando mangas compridas e calças nos momentos do dia em que os insetos estão mais ativos - como o nascer e o pôr do sol
  • Calce sapatos fechados enquanto estiver na rua
  • Aplique repelente de insetos - com entre 20 a 30% de DEET (dietiltoluamida) - na pele exposta e por cima da roupa. Se vai aplicar protetor solar, faça-o antes de aplicar o repelente
  • Tenha cuidado quando estiver perto de flores, lixo, águas estagnadas (onde os mosquitos se costumam reproduzir) ou em zonas exteriores com comida
  • Nunca perturbe ninhos de insetos
  • Evite fazer campismo perto de zonas com água parada, como lagos e pântanos. É aqui que os mosquitos e moscardos se concentram
  • Mantenha os alimentos e bebidas tapados enquanto estiver a consumi-los ao ar-livre, especialmente os doces
  • Em zonas de risco, mantenha as portas e janelas da casa e do carro fechadas, sobretudo no final do dia, ou coloque uma rede mosquiteira para prevenir a entrada de insetos

 

Evite picadas de carraças

Normalmente presentes em zonas de floresta ou charnecas, as carraças são pequenas e parecidas com aranhas. Habitualmente agarram-se à pele, sugam o sangue e podem causar doença de Lyme em certos casos. Para reduzir o risco de ser mordido por uma carraça deve:

  • Caminhar em trilhos e evitar as zonas de erva alta
  • Usar manga comprida e entalar as calças nas meias em zonas infestadas
  • Preferir tecidos claros para conseguir identificar a carraça
  • Aplicar repelente de insetos na pele exposta
  • Inspecionar a pele (cabeça, pescoço e pregas da pele, como axilas, virilhas e zona da cintura), especialmente ao final do dia
  • Certificar-se de que não transporta carraças para dentro de casa: inspecionar a roupa usada no exterior e o pelo do seu cão

Atenção: se encontrar alguma carraça, é importante que a remova o mais rapidamente possível.

 

Se vai viajar, tenha cuidados extra

Alguns países apresentam risco elevado de contrair uma doença grave (como a Malária) através da picada ou mordida de um inseto.

Se tem uma viagem planeada, informe-se numa Consulta do Viajante acerca dos riscos existentes no seu destino e sobre a necessidade de se vacinar contra certas doenças endémicas, como a febre amarela ou a cólera. Esclareça com o médico assistente cuidados especiais que deva ter ou medicações que deva tomar ou levar consigo na viagem. Por exemplo, se planeia visitar um local em que existe o risco de Malária, o seu especialista de saúde poderá aconselhá-lo a levar consigo uma rede mosquiteira e receitar medicamentos preventivos desta doença.

 

O que fazer em caso de picada ou mordida

Por vezes, não é possível evitar uma picada ou mordida de inseto; felizmente, a maior parte das situações pode ser tratada em casa. Alguns dos cuidados que pode ter variam consoante, por exemplo, o tipo de sintomas que ocorrem:

  1. Remova o ferrão da abelha ou parte do inseto que possa ainda estar cravado na pele
  2. Lave o local da picada abundantemente com água fria
  3. Quando sente dor, por exemplo, nas picadas de abelha, tome um analgésico, como paracetamol ou ibuprofeno. Siga sempre as indicações do folheto e tome a dose recomendada
  4. Se tem comichão, aplique gelo ou uma pomada de venda-livre comprada na farmácia para o alívio deste sintoma. Outra opção passa por tomar um anti-histamínico
  5. Para reduzir o edema aplique gelo na lesão

 

O perigo da vespa asiática

A Vespa Velutina Nigrithorax, conhecida por vespa velutina ou vespa asiática, introduzida na Europa em 2004 e avistada em Portugal desde 2011, representa riscos para a saúde pública. É essencialmente predadora de abelhas, mas sempre que se sente ameaçada (ou aos seus ninhos) pelo Homem, é capaz de, muitas vezes em grupo, reagir de forma bastante agressiva, com perseguições que podem durar centenas de metros, com subsequente picada. A picada deste animal, embora dolorosa e levando a reação local de inchaço e vermelhidão similar à picada de outros insetos, não representa risco grave para a saúde da pessoa picada, a não ser em caso de alergia ao veneno. Nesta situação, e principalmente em caso de picadas múltiplas, pode ocorrer um choque anafilático que pode colocar em risco vários órgãos e sistemas e, no limite, levar à morte. Como só se sabe se existe alergia após ter havido a picada, torna-se recomendável que, caso suspeite de ataque por este tipo de vespa, seja observado em ambiente hospitalar de urgência, sobretudo em caso de sintomas que sugiram choque anafilático, tais como inchaço da língua, dificuldade respiratória, respiração ruidosa, tosse, sensação de desmaio e/ou palidez. 

Caso encontre uma destas vespas (com o corpo mais escuro e as patas amareladas) ou um ninho afaste-se e contacte o SOS AMBIENTE (808 200 520) e/ou reporte o avistamento no site www.sosvespa.pt. Em nenhum momento tente destruir o ninho, muito menos utilizando armas de fogo (como armas de caça). Este método contribuirá para dispersão e disseminação da vespa asiática e pode ainda motivar uma perseguição.