O que é a retinopatia diabética?

A retinopatia diabética é a principal causa de cegueira evitável entre os 20 e os 64 anos de idade. Se tem diabetes, "deite" os olhos nisto.
Publicado por: CUF em 09 de Agosto 2018
Tags: retinopatia diabética , diabetes , cegueira , visão turva , rastreio ocular
Diagnóstico da retinopatia diabética

A retinopatia diabética é uma complicação vascular da diabetes, uma doença metabólica caracterizada por níveis elevados de açúcar no sangue. Como o nome indica, afeta a retina, podendo provocar perda de visão e cegueira.

A retinopatia diabética tem uma relação estreita com o controlo da própria diabetes, sendo causada por alterações nos vasos sanguíneos da retina relacionadas com a duração e tipo da doença e com os níveis persistentemente elevados de açúcar no sangue.

 

Prevalência

A prevalência da retinopatia diabética varia em função do tipo de diabetes (tipo 1 ou tipo 2) e dos anos de evolução. Assim, ao fim de 20 anos de diabetes...

  • Cerca de 98% das pessoas com diabetes tipo 1 apresentam lesões
  • Cerca de 50% dos doentes com diabetes tipo 2 apresentam lesões

 

Sintomas da retinopatia diabética

A retinopatia diabética pode não implicar sintomas - ainda assim, o exame do olho pode detetar alterações em fases precoces. Quando existem, os sinais e sintomas da retinopatia diabética incluem:

  • Diminuição da acuidade visual
  • Visão turva
  • Pontos flutuantes ou "moscas"
  • Flashes
  • Perda parcial ou total da visão

 

Tipos de retinopatia diabética

Existem três diferentes tipos de retinopatia diabética:

  • Não proliferativa (ligeira)
    Caracteriza-se por microaneurismas (pequenas dilatações dos vasos), hemorragias na retina e isquemia. O aporte de sangue não é suficiente. O principal sintoma é a visão turva.
  • Pré-proliferativa (moderada ou grave)
    Caracteriza-se por veias em rosário, duplicações venosas e anomalias múltiplas.
  • Proliferativa
    Caracteriza-se por vários problemas, incluindo neovasos (novos vasos sanguíneos, mais frágeis, que podem romper e sangrar, causando hemorragia vítrea), descolamento da retina e problemas na mácula. Os sintomas incluem pontos flutuantes e perda de visão, quer central, quer periférica.

 

Como se diagnostica a retinopatia diabética

O diagnóstico da retinopatia diabética implica a realização de um estudo dos olhos para deteção de possíveis lesões com uma periodicidade anual em diabéticos. As grávidas com diabetes também devem estar sob vigilância. Os exames incluem:

  • Exame oftalmoscópico
  • Fotografia do fundo do olho/retinografia
  • Outros exames, como a angiografia e a tomografia

 

Tratamento da retinopatia diabética

Além do controlo da diabetes, o tratamento das lesões tratáveis pode incluir:

  • Medicação anti-VEGF (fatores de crescimento endotelial vascular), via intraocular
  • Fotocoagulação a laser
  • Vitrectomia (cirurgia)

 

Prevenção da retinopatia diabética

Como os sintomas da retinopatia diabética podem aparecer demasiado tarde, o melhor é prevenir. Aconselha-se, por isso, que:

  • Realize um rastreio/exame ocular regularmente, de acordo com o recomendado pelo seu médico
  • Controle os fatores dos níveis de açúcar no sangue, da tensão arterial e do colesterol
  • Faça uma alimentação adequada, pratique exercício físico e não fume

 

Atenção!

Se sentir alguma alteração suspeita na visão, procure o médico oftalmologista o mais rapidamente possível, pois só com o tratamento atempado poderá evitar a perda de visão.