Rosácea: mais do que corar

Sente-se a corar constantemente, mas não é por vergonha ou embaraço? Então é possível que tenha rosácea. Descubra mais sobre esta doença.
Publicado por: CUF em 06 de Junho 2017
Tags: dermatologia , pele , rosácea , vermelhidão
Rosácea: mais do que corar

A rosácea é uma doença inflamatória da pele relativamente comum, de evolução crónica, caracterizada pela dilatação dos vasos sanguíneos à superfície, provocando vermelhidão, sobretudo nas maçãs do rosto, testa, queixo e nariz (que pode ficar com volume maior).

 

Quem é afetado

A rosácea é mais comum em pessoas com pele clara e fina, embora possa ocorrer em pessoas com pele morena. É mais frequente nas mulheres entre os 30 e os 50 anos de idade.

 

Fatores desencadeantes ou agravantes

Entre os fatores que podem agravar ou desencadear a rosácea estão:

  • Mudança de temperatura (do frio para o calor);
  • Exposição excessiva ao sol;
  • Consumo de bebidas alcoólicas;
  • Consumo de certos alimentos, como picantes, especiarias e cafeína;
  • Exercício físico intenso;
  • Ambientes demasiado quentes ou húmidos (ex.: sauna ou banho quente);
  • Produtos cosméticos irritantes;
  • Alguns fármacos orais, como os vasodilatadores;
  • Alterações hormonais;
  • Stresse e ansiedade.

 

Sinais e sintomas da rosácea

Procure um dermatologista se apresentar os seguintes sinais ou sintomas:

  • Tendência para ruborizar com facilidade e frequência;
  • Vermelhidão difusa e persistente no rosto;
  • Vasos sanguíneos visíveis à superfície da pele;
  • Borbulhas com ou sem pus;
  • Ardor, comichão ou sensação de picadas, calor e/ou repuxar no rosto.

 

Tipos de rosácea

Existem diferentes subtipos de rosácea. Em alguns doentes podem ocorrer apenas vermelhidão e vasos sanguíneos salientes (rosácea eritemato-telangiectásica). Em outros casos, podem surgir borbulhas ou espinhas semelhantes às da acne (rosácea pápulo-pustulosa). Os olhos também podem ser afetados, apresentando-se vermelhos, irritados, congestionados e/ou com comichão (rosácea ocular). Por outro lado, alguns doentes podem apresentar a pele espessada e com aumento do volume de determinadas regiões da face (rosácea fimatosa). É comum os doentes apresentarem sobreposição de mais do que um subtipo de rosácea.

 

Tratamento da rosácea

Embora não exista uma cura definitiva, a rosácea tem tratamento que inclui: medicamentos de aplicação tópica (no local), tratamentos por via oral, lasers e luz intensa pulsada, entre outras terapêuticas.

 

Conselhos

Além do tratamento com fármacos, o médico poderá dar-lhe outros conselhos para atenuar os efeitos da rosácea, tais como:

  • Use protetor solar diariamente (FPS elevado);
  • Evite mudanças bruscas de temperatura;
  • Evite tomar banhos quentes;
  • Adeque a dieta, evitando alimentos que lhe desencadeiam a rosácea, como bebidas alcoólicas e picantes;
  • Deixe de fumar;
  • Lave a face com água morna e utilize um produto de higiene sem sabão e com pH neutro;
  • Proteja e hidrate a pele com cosméticos hipoalergénicos indicados para o seu problema;
  • Use maquilhagem corretora, com uma cor apropriada (verde ou castanha), que ajuda a disfarçar.

 

Atenção!

A rosácea não é sinal de abuso de álcool, nem é contagiosa. A rosácea pode diminuir significativamente a qualidade de vida das pessoas afetadas, sobretudo devido ao estigma social que ainda lhe está associado e ao impacto físico e psicológico da doença.

 

Sabia que…

A rosácea pode ocorrer com mais frequência em pessoas cuja profissão obrigue a uma exposição constante ao calor, como é o caso dos cozinheiros.