Vasculite: um só nome, diferentes problemas

São raras e muito diferentes umas das outras, mas felizmente podem ser tratadas. Chamam-se vasculites.
Publicado por: CUF em 02 de Maio 2019
Tags: vasculite , artérias , veias , sangue , inflamação
Sintomas da vasculite

A vasculite consiste numa inflamação de vasos sanguíneos, sejam pequenos capilares, veias ou artérias, de um ou mais órgãos, em qualquer zona do corpo, incluindo rins, pulmões e coração, afetando o funcionamento desses órgãos.

 

Potenciais causas da vasculite

Algumas vasculites não têm uma causa conhecida (vasculites primárias), enquanto outras são atribuídas a causas específicas (vasculites secundárias), nomeadamente infeções (hepatite, VIH), doenças (lúpus, artrite, reumatoide, doenças inflamatórias) ou toma de certos medicamentos ou drogas. Em geral devem-se a um problema no sistema imunitário ou a fatores genéticos.

 

Atenção!

A vasculite não é uma doença contagiosa.

 

Tipos de vasculite

Um conjunto de especialistas reunidos na International Chapel Hill Consensus Conference on the Nomenclature of Vasculitides adotou em 2012 uma nova nomenclatura para as vasculites. De acordo com essa alteração as vasculites podem ser, entre outras:

  • Vasculites de grandes vasos (arterite de células gigantes ou arterite Takayasu, que envolvem tipicamente a aorta)
  • Vasculites de vasos médios (poliarterite nodosa, doença de Kawasaki)
  • Vasculites de pequenos vasos (associada aos ANCA ou aos imunocomplexos)
  • Vasculite de vasos de calibre variável (doença de Behcet e síndrome de Cogan)
  • Vasculite de órgão único
  • Vasculite associada a doenças sistémicas
  • Vasculite associada a causa provável (que inclui vasculites associadas ao vírus da hepatite B, aortite associada a sífilis, entre outras)

 

Incidência e sintomas das vasculites

A vasculite é pouco comum. Calcula-se que existam entre 10 a 15 novos casos por um milhão de pessoas anualmente e que haja cerca de 20 a 30 mil pessoas por milhão diagnosticadas em todo o mundo. Pode afetar qualquer pessoa, independentemente da idade e do sexo, mas alguns tipos de vasculite predominam em certas faixas etárias e outras afetam mais os homens. Também podem atingir crianças.

 

Os sintomas variam consoante o tipo e a gravidade. Em geral são pouco específicos e incluem:

  • Dor
  • Mal-estar geral
  • Cansaço
  • Febre
  • Falta de apetite
  • Perda de peso

 

Diagnóstico e tratamento da vasculite

O diagnóstico é feito com base na história do doente e em exames, designadamente análises ao sangue e à urina, bem como, se necessário, radiografia, ecocardiograma, biópsia e outros. Para já não existe uma cura, mas a doença pode ser controlada.

O tratamento da vasculite pode envolver a administração de uma série de fármacos, entre os quais glucocorticoides e imunossupressores (como a ciclofosfamida, a azatioprina ou o metotrexato). Em alguns casos mais graves, pode ser preciso tratar com outros agentes. Os doentes que tomam corticoides devem ser vigiados dado o maior risco de osteoporose.

 

Prevenção

Não existe uma forma de prevenir as vasculites, nem sequer está aconselhado rastreio pré-natal, uma vez que, apesar de genética, não é necessariamente hereditária.

 

Sabia que...

A gestão da vasculite pode implicar uma série de especialidades, desde a reumatologia à nefrologia e pneumologia, passando por otorrinolaringologia, oftalmologia, estomatologia/medicina dentária, nutrição, entre outras.