Doença de Cushing

A doença de Cushing resulta da produção excessiva da hormona hipofisária chamada ACTH que por sua vez leva a uma produção de cortisol pela glândula suprarrenal acima dos níveis necessários e desejáveis para o normal funcionamento do organismo.

 

Fisicamente manifesta-se por aumento da gordura a nível do tronco mantendo-se os braços e as pernas magras. Podem surgir nódoas negras na pele ou estrias de cor vermelha e até 50% dos doentes podem ter alterações do humor e do sono. A diabetes e a hipertensão não são incomuns nesta situação.

 

O diagnóstico da doença costuma ser bastante complexo. Caso haja suspeita clínica e laboratorial suficiente, implica a realização de vários testes de despiste seguidos de testes de confirmação. Assim, é frequentes as análises à urina e ao sangue terem de ser repetidas em mais do que uma ocasião. Muitas vezes há necessidade da realização de testes dinâmicos endocrinológicos.

 

O tratamento quase sempre é cirúrgico, podendo em casos mais raros estarem indicados outros tratamentos como cirurgia das suprarrenais ou terapêutica farmacológica.