Factores de risco do Cancro da Mama

Fatores de risco

 

Qualquer comportamento ou condição que aumenta o seu risco de ter uma doença é um fator de risco. Se um ou mais fatores de risco se aplicarem a si, não quer dizer que desenvolverá necessariamente cancro da mama. Da mesma forma, o cancro da mama pode aparecer em indivíduos que não apresentem fatores de risco conhecidos.

 

Ainda não foi possível encontrar as causas para o cancro da mama, mas alguns fatores de risco são conhecidos. Os principais fatores de risco são os seguintes:

 

Idade

Continua a ser o maior fator de risco para o cancro da mama: uma mulher de 60 anos tem oito vezes maior risco de o desenvolver nos 5 anos seguintes, do que uma de 30; 25% das neoplasias ocorrem em mulheres com menos de 50 anos.

 

Antecedentes familiares

Existe evidência de agregação familiar de cancro da mama em cerca de 10% dos casos. Em metade destes, ou seja, 5%, há alterações em genes herdados que podem ser caracterizados numa análise de DNA, caso a mesma seja decidida após uma consulta de genética médica. Na maioria dos casos trata-se de mutações nos genes BRCA1 ou BRCA2. No entanto, nos restantes casos, observa-se agregação familiar mas não se encontram mutações herdadas em genes de suscetibilidade. Suspeita-se de transmissão genética em famílias com mais de três mulheres jovens com cancro da mama ou nas situações em que exista antecedentes familiares de cancro do ovário. O risco familiar é tanto maior quanto o número de familiares atingidas. Estas mutações genéticas estão geralmente ausentes no cancro da mama esporádico.

 

Fatores hormonais

Alguns fatores hormonais estão descritos como fatores de risco para o cancro da mama, tais como:

  • menarca precoce - primeira menstruação em idade precoce
  • idade tardia na primeira gravidez com termo
  • menopausa tardia
  • não ter tido filhos
  • uso de anticoncecionais - aumenta ligeiramente o risco, mas nem todos os estudos são consensuais
  • uso de terapia hormonal de substituição (THS) - o uso disseminado e prolongado (mais de 2 anos) de THS em mulheres pós-menopausicas aumenta o risco de cancro da mama

 

Doenças proliferativas mamárias

Doenças que afetam o epitélio da glândula mamária, suspeitadas em imagem mas só provadas em caso de biópsia.

 

Alimentação e peso

Consumo elevado de gordura, principalmente se na infância e adolescência, excesso de peso contribui também para um aumento de risco.

 

Exposição a radiações ionizantes

Por exemplo resultante de radioterapia, nomeadamente se a mesma ocorrer em idade jovem.