Cancro do fígado

Cancro do fígado

As células epiteliais do fígado são as responsáveis pela constituição do tecido do fígado. No seu estado normal, estas células crescem e dividem-se em novas células, que são formadas à medida que vão sendo necessárias, este processo chama-se regeneração celular.

 

Quando as células normais envelhecem ou são danificadas, morrem naturalmente. Quando as células perdem este mecanismo de controlo e sofrem alterações no seu genoma (DNA) tornam-se células de cancro. Estas não morrem quando envelhecem ou se danificam e produzem novas células, que não são necessárias, de forma descontrolada e dando lugar à formação de um cancro.

 

Ao contrário das células normais, as células de cancro do fígado não respeitam as fronteiras do órgão, invadindo os tecidos circundantes ou disseminando a outras partes do organismo. A este processo dá-se o nome de metastização.

 

Existem vários tipos de cancro do fígado, que poderá consultar aqui.

 

Epidemiologia

O cancro do fígado é o sexto tumor mais frequente no mundo, com aproximadamente 1 milhão de novos casos registados anualmente. É o tumor maligno mais frequente em África e na Ásia, mas é raro no Mundo Ocidental. Esta variação geográfica reflecte a variação da incidência das infecções por vírus de hepatite C e hepatite B, que são responsáveis por 75% de todos os casos no mundo. A incidência aumenta com a idade, sendo a a idade média do diagnóstico na 5ª e 6ª década de vida. O cancro do fígado é 2,4 vezes mais comum nos homens do que nas mulheres.