Diagnóstico cancro do pâncreas

Diagnóstico

 

Numa doente com suspeita de cancro do pâncreas podem ser pedidos exames para diagnosticar a doença.

 

Para além do exame físico para encontrar sinais de icterícia ou a presença de fluido abdominal, o seu médico pode prescrever-lhe exames de imagem para auxiliar o diagnóstico. O mais comum no caso do pâncreas é a Tomografia Axial Computorizada, mas outros exames poderão ser solicitados como a Ressonância Magnética, Ecografia ou Endoscopia.

 

O seu médico poderá, em caso de suspeita, solicitar os seguintes exames ou procedimentos:

 

- Ultrassonografia endoscópica (ecoendoscopia) - consiste na introdução pela garganta de um tubo – endoscópio – passando pelo estômago até ao início do intestino delgado, permitindo a formação de uma imagem do pâncreas através de ultrasons;

 

- Colangiopancreatografia Endoscópica Retrógrada (CPRE) –consiste na introdução de um endoscópio através da garganta que permite a introdução de um tubo mais pequeno até aos ductos biliares e pancreáticos, injectando-se por esse tubo uma substância (contraste radiológico) que permite produzir imagens. As imagens da CPRE permitem ao médico detectar obstruções dos ductos por algum tumor ou outra condição específica do doente. A CPRE é um método importante no diagnóstico diferencial de tumores da junção pancreatobiliar, local onde a grande maioria dos cancros do pâncreas se iniciam;

 

- Biopsia aspirativa percutânea – que consiste na colheita de tecido picando através da pele, para análise em laboratório. A biopsia ao pâncreas pode ser feita pela realização de uma eco-endoscopia ou guiada por TAC;

 

- Laparoscopia exploradora, um tipo de cirurgia que permite ao médico visualizar os seus órgãos internos e avaliar a presença de doença. É uma cirurgia minimamente invasiva, rápida e efectuada em regime de ambulatório;

 

- Cirurgia ao pâncreas – alguns doentes são submetidos a cirurgia ao pâncreas, sendo o seu diagnóstico confirmado através da análise das peças colhidas durante o procedimento.

 

Só a observação das células suspeitas ao microscópio pela Anatomia Patológica pode confirmar o diagnóstico de cancro do pâncreas.