Cancro do útero

Cancro do útero

As células epiteliais do útero são as responsáveis pela constituição do tecido que reveste a cavidade uterina o endométrio. No seu estado normal, estas células crescem e dividem-se em novas células, sob influência hormonal, que são formadas à medida que vão sendo necessárias, este processo chama-se regeneração celular. Quando as células do endométrio normais envelhecem ou são danificadas, morrem naturalmente. Quando as células perdem este mecanismo de controlo e sofrem alterações no seu genoma (DNA), tornam-se células de cancro, que não morrem quando envelhecem ou se danificam, e produzem novas células que não são necessárias de forma descontrolada, resultando na formação de um cancro.

 

Ao contrário das células normais, as células de cancro do útero não respeitam as fronteiras do órgão podendo invadir os tecidos circundantes e disseminar a outras partes do organismo. A este processo dá-se o nome de metastização. 

 

O cancro no útero surge, geralmente, depois da menopausa. No entanto, também pode ocorrer no início da menopausa.

Existem vários tipos de cancro do útero, que poderá consultar aqui.
 

Existem algumas patologias do útero que são benignas:

 

- Fibromiomas: tumores benignos comuns, que crescem no músculo do útero. Aparecem em mulheres com idade entre os 40 e os 50 anos e não são uma lesão precursora de cancro.

 

- Hiperplasia endometrial: dá-se este nome ao aumento do número de células no revestimento do útero. Embora não seja cancro, pode evoluir para um quadro maligno. Alguns sintomas comuns de hiperplasia são períodos menstruais longos, perdas de sangue entre as menstruações e perdas de sangue após a menopausa. A hiperplasia endometrial é frequente depois dos 40 anos.

 

- Endometriose: o tecido endometrial começa a crescer para fora do útero e para os órgãos próximos. Esta situação pode causar períodos menstruais dolorosos, perdas de sangue vaginal anormais e, por vezes, perda da fertilidade; no entanto, não provoca cancro. Mais informações sobre a Endometriose disponíveis aqui

 

Epidemiologia

Em Portugal, o cancro do útero é o mais comum dos tumores do sistema reprodutor feminino, representando cerca de 6% de todos os cancros nas mulheres.

 

A incidência em Portugal é de cerca 10 casos por 100.000 habitantes, sendo que o pico de incidência ocorre nas 6ª e 7ª décadas de vida. Cerca de 75% dos casos ocorrem após a menopausa, contudo 2 a 5% surgem antes dos 40 anos de idade.