Cancro neuroendócrino

Cancro neuroendócrino

No seu estado normal, as células neuroendócrinas crescem e dividem-se em novas células, que são formadas à medida que vão sendo necessárias. A este processo chama-se regeneração celular. Quando as células normais envelhecem ou são danificadas, morrem naturalmente. Quando as células perdem este mecanismo de controlo e sofrem alterações no seu genoma (DNA), tornam-se células de cancro, que não morrem quando envelhecem ou se danificam, e produzem novas células que não são necessárias de forma descontrolada, resultando na formação de um cancro.


Ao contrário das células normais, as células de cancro podem dessiminar a outras partes do organismo. A este processo dá-se o nome de metastização.

 

O cancro neuroendócrino tem origem nas células neuroendócrinas. Dada a localização dispersa destas células nos epitélios, o cancro neuroendócrino pode aparecer em inúmeros locais do corpo.

 

O mais frequente é o cancro neuroendócrino do tubo digestivo ou do pâncreas, mas estas células podem também dar origem a cancros neuroendócrinos nos sistemas respiratório e genitourinário, embora menos frequentes.

 

Os cancros neuroendócrinos são raros e crescem devagar. A maioria tem origem no apêndice, intestino delgado ou recto. Por vezes, forma-se mais que um tumor. Existem vários tipos de cancro neuroendócrino, que poderá consultar aqui.