Diagnóstico linfoma não hodgkin

Diagnóstico

 

Num doente com história cínica e exame clínico suspeitos de linfoma não Hodgkin, para diagnosticar a doença usam-se exames com o objectivo de perceber quantas são as regiões ganglionares afectadas pela doença, e se de facto se trata de linfoma não Hodgkin.

 

Os exames de diagnóstico são:

 

  • Exames de sangue detalhados e de urina;

 

  • Biópsia ao gânglio aumentado - deve ser feita uma biopsia que retira todo o gânglio – biopsia excisional - uma vez que a simples biopsia por aspiração de células no gânglio não permite obter quantidade suficiente para que o anatomo-patologista consiga diagnosticar o linfoma não Hodgkin. Pode haver ocasiões em que a biopsia é difícil devido à região onde cresce o linfoma, por exemplo, na parte de trás do abdómen ou no cérebro. Nesses casos pode ter de se assumir o diagnóstico, tendo em conta os exames laboratoriais e de imagem, embora isto seja raro acontecer;

 

  • Biopsia à medula óssea – o médico utiliza uma agulha para colher amostras de osso e medula, com recurso a anestesia local;

 

  • Exames radiológicos como a TAC;

 

  • Exames de Medicina Nuclear como o PET.

 

Só quando observado ao microscópio o material colhido através de uma biopsia é que é possível confirmar o diagnóstico de Linfoma não Hodgkin.