Anatomia Patológica
Anatomia Patológica

É uma especialidade central nas instituições que tratam cancro e a presença de anatomo-patologistas nas equipes multidisciplinares qu tomam a cargo os doentes é indispensável.

 

Um dos exames essenciais para a correcta caracterização da doença oncológica é a realização de uma biopsia ou citologia. Após a colheita de um fragmento de tecido (biópsia) ou punção de um órgão para obtenção de células soltas (citologia), o anatomo-patologista analisa ao microscópio o material recolhido e faz o diagnóstico. Com o resultado, a equipa clínica avalia o tratamento mais adequado à condição específica de cada doente. O patologista tem assim o lugar mais importante no diagnóstico inicial porque é quem o assume.

 

Só pela análise de material biológico ao microscópio por um anatomo-patologista é que se pode determinar o diagnóstico de cancro.

 

Embora pouco visível aos doentes, é uma especialidade fundamental no diagnóstico e acompanhamento no tratamento da doença oncológica - orientando oncologistas, cirurgiões e radioterapeutas - pelo que é necessário garantir que os exames são efectuados em laboratórios experientes e com diferenciação clínica.

 

O facto de este serviço estar integrado num hospital, numa clínica ou num grupo de hospitais onde existem reuniões multidisciplinares frequentes para decisão terapêutica é também crucial. Este é um critério de qualidade, pois é nestas reuniões que os médicos que vão tratar determinado doente se juntam para decidir a melhor estratégia a seguir.

 

São pontos essenciais para a escolha de um serviço de Anatomia Patológica a sua dimensão, nomeadamente o número total e variedade de exames que realiza, a dimensão da equipa de médicos patologistas que trabalham no serviço e as suas áreas de diferenciação. No laboratório do hospital CUF Descobertas, que dá apoio não só a esta unidade mas todas as unidades CUF de Lisboa, são anualmente processados mais de 40.000 exames, sendo actualmente um dos maiores laboratórios do país.