Mamografia

A mamografia, exame específico para estudo da mama, utiliza baixa dose de radiação. É importante no diagnóstico precoce do cancro da mama, podendo detetar a doença antes de surgir qualquer sintoma ou alteração ao exame clínico. O sucesso do tratamento depende, em grande parte, do diagnóstico precoce.

 

QUEM DEVE FAZER?

A Associação Médica Americana e a Sociedade Americana de Radiologia recomendam que a mulher realize uma mamografia anual, a partir dos 40 anos. As mulheres com história familiar de cancro da mama devem ter aconselhamento médico especializado e vigilância com intervalos de tempos mais reduzidos.

 

COMO SE REALIZA O EXAME?

A mamografia é realizada num equipamento específico, o mamógrafo, que possui um braço articulado com uma ampola de Rx numa extremidade e um suporte de aquisição de imagem, onde é apoiada a mama.

A mama é comprimida com o compressor de material plástico para obter uma espessura mais uniforme, aspeto importante para garantir a qualidade da imagem e a redução da dose de radiação.

 

O QUE SENTE DURANTE O EXAME?

Durante a compressão da mama é natural que algumas mulheres sintam desconforto. Nesse caso, deverá avisar o pessoal técnico para tentar uma compressão mais gradual.

O desconforto pode ser maior em certas fases do ciclo menstrual, habitualmente durante o período pré-menstrual. Por essa razão sugere-se a realização da mamografia na semana seguinte ao período menstrual, fase em que se sente menor desconforto.

 

QUE PRECAUÇÕES DEVE TOMAR?

Fale com o médico radiologista sobre qualquer alteração que tenha notado na sua mama. Informe-o também de cirurgias anteriores, utilização de terapia de substituição hormonal, ou história familiar ou pessoal de cancro de mama.

 

QUAIS SÃO AS LIMITAÇÕES DA MAMOGRAFIA?

Embora a mamografia continue a ser o melhor método de rastreio do cancro da mama, nem todas as lesões malignas são detetáveis por esta técnica.

Por vezes, as imagens da mamografia não são suficientes para afirmar com segurança que não existem aspetos suspeitos. Nestes casos, a ecografia é um complemento importante, especialmente quando se trata de mamas com grande densidade radiográfica. Podem também surgir falsos positivos (uma alteração benigna interpretada como uma neoplasia, ou potencial neoplasia). Nestes casos, é necessário realizar, para além da ecografia, mais exames, tais como ressonância magnética ou eventualmente biópsia.

 

"Nas nossas unidades aplicamos os mais rigorosos testes de controlo de qualidade. Só utilizamos equipamentos recentes e devidamente calibrados, com o objetivo de manter a dose de radiação nos níveis mais baixos possíveis. Neste contexto, aplicamos também diariamente um programa de garantia de qualidade, importante em qualquer serviço de radiologia. A dose efetiva de radiação recebida durante uma mamografia é muito pequena, cerca de 0.7 mSv, a mesma dose que, em média, uma pessoa recebe do seu ambiente natural durante 3 meses."

 

GRAVIDEZ E MAMOGRAFIA - QUE IMPLICAÇÕES?

A mamografia utiliza radiações ionizantes e, embora não seja absolutamente contraindicada, é de evitar durante a gravidez. Caso haja possibilidade de estar grávida, por favor avise antes de fazer a mamografia.

 

QUEM INTERPRETA O EXAME?

O médico radiologista faz a observação clínica da mama, analisa as imagens, se necessário, efetua incidências complementares e realiza (ou aconselha) outros exames considerados úteis. Um relatório definitivo seguirá para o seu médico em tempo útil, no prazo máximo de 4 dias.

Os relatórios CUF seguem a classificação BI-RADS (Breast Imaging Reporting and Data System) do Colégio Americano de Radiologia.

A mamografia, exame específico para estudo da mama, utiliza baixa dose de radiação. É importante no diagnóstico precoce do cancro da mama, podendo detetar a doença antes de surgir qualquer sintoma ou alteração ao exame clínico. O sucesso do tratamento depende, em grande parte, do diagnóstico precoce.

 

QUEM DEVE FAZER?

A Associação Médica Americana e a Sociedade Americana de Radiologia recomendam que a mulher realize uma mamografia anual, a partir dos 40 anos. As mulheres com história familiar de cancro da mama devem ter aconselhamento médico especializado e vigilância com intervalos de tempos mais reduzidos.

 

COMO SE REALIZA O EXAME?

A mamografia é realizada num equipamento específico, o mamógrafo, que possui um braço articulado com uma ampola de Rx numa extremidade e um suporte de aquisição de imagem, onde é apoiada a mama.

A mama é comprimida com o compressor de material plástico para obter uma espessura mais uniforme, aspeto importante para garantir a qualidade da imagem e a redução da dose de radiação.

 

O QUE SENTE DURANTE O EXAME?

Durante a compressão da mama é natural que algumas mulheres sintam desconforto. Nesse caso, deverá avisar o pessoal técnico para tentar uma compressão mais gradual.

O desconforto pode ser maior em certas fases do ciclo menstrual, habitualmente durante o período pré-menstrual. Por essa razão sugere-se a realização da mamografia na semana seguinte ao período menstrual, fase em que se sente menor desconforto.

 

QUE PRECAUÇÕES DEVE TOMAR?

Fale com o médico radiologista sobre qualquer alteração que tenha notado na sua mama. Informe-o também de cirurgias anteriores, utilização de terapia de substituição hormonal, ou história familiar ou pessoal de cancro de mama.

 

QUAIS SÃO AS LIMITAÇÕES DA MAMOGRAFIA?

Embora a mamografia continue a ser o melhor método de rastreio do cancro da mama, nem todas as lesões malignas são detetáveis por esta técnica.

Por vezes, as imagens da mamografia não são suficientes para afirmar com segurança que não existem aspetos suspeitos. Nestes casos, a ecografia é um complemento importante, especialmente quando se trata de mamas com grande densidade radiográfica. Podem também surgir falsos positivos (uma alteração benigna interpretada como uma neoplasia, ou potencial neoplasia). Nestes casos, é necessário realizar, para além da ecografia, mais exames, tais como ressonância magnética ou eventualmente biópsia.

 

"Nas nossas unidades aplicamos os mais rigorosos testes de controlo de qualidade. Só utilizamos equipamentos recentes e devidamente calibrados, com o objetivo de manter a dose de radiação nos níveis mais baixos possíveis. Neste contexto, aplicamos também diariamente um programa de garantia de qualidade, importante em qualquer serviço de radiologia. A dose efetiva de radiação recebida durante uma mamografia é muito pequena, cerca de 0.7 mSv, a mesma dose que, em média, uma pessoa recebe do seu ambiente natural durante 3 meses."

 

GRAVIDEZ E MAMOGRAFIA - QUE IMPLICAÇÕES?

A mamografia utiliza radiações ionizantes e, embora não seja absolutamente contraindicada, é de evitar durante a gravidez. Caso haja possibilidade de estar grávida, por favor avise antes de fazer a mamografia.

 

QUEM INTERPRETA O EXAME?

O médico radiologista faz a observação clínica da mama, analisa as imagens, se necessário, efetua incidências complementares e realiza (ou aconselha) outros exames considerados úteis. Um relatório definitivo seguirá para o seu médico em tempo útil, no prazo máximo de 4 dias.

Os relatórios CUF seguem a classificação BI-RADS (Breast Imaging Reporting and Data System) do Colégio Americano de Radiologia.