Doença celíaca nas crianças: aprenda a identificá-la

A doença celíaca pode ser diagnosticada em qualquer idade. Conheça os sinais a que deve estar atento, os alimentos que podem ser consumidos e os que devem ser excluídos da dieta.
Publicado por: Filipa Santos em
Tags: doença celíaca , glúten , abdómen , farinhas , trigo , centeio , cevada , intestino
Doença celíaca na criança

A doença celíaca é uma doença sistémica, de caráter autoimune, desencadeada pela exposição alimentar ao glúten, que surge em indivíduos geneticamente suscetíveis.

 

O glúten é a designação genérica de proteínas vegetais que conferem capacidade de absorção de água, viscosidade e elasticidade às farinhas que as contêm, permitindo a sua moldagem e o fabrico de produtos de panificação. O glúten existe no trigo, centeio, cevada e aveia.

 

O desenvolvimento da doença celíaca depende de uma interação de fatores genéticos, imunológicos e ambientais.

 

A doença celíaca é desencadeada pela sensibilidade permanente ao glúten, que provoca enteropatia (doença na porção inicial do intestino delgado).

As manifestações desta doença não são imediatas à ingestão de alimentos com glúten. Quando ocorre reação imediata (manifestações na pele, sintomas respiratórios ou gastrointestinais), deve ser considerada a hipótese de alergia alimentar ao trigo e não de doença celíaca.

 

Sintomas da doença celíaca

A doença celíaca pode ser diagnosticada em qualquer idade. Considera-se doença celíaca típica a forma de apresentação clássica, que surge habitualmente até aos dois anos de idade e na qual predominam os sintomas gastrointestinais:

  • diarreia crónica
  • anorexia
  • perda de peso
  • vómitos
  • irritabilidade/prostração

 

Os sinais mais comuns da observação destas crianças são:

  • palidez
  • perda de massa muscular nas nádegas e coxas
  • distensão do abdómen

 

Nos casos de desnutrição grave, pode haver regressão das aquisições motoras, nomeadamente a marcha. Estes sintomas surgem geralmente pelos nove ou dez meses, uma vez que a introdução do glúten é efetuada aos seis meses.

 

A doença celíaca atípica é aquela em que os sintomas gastrointestinais são mínimos ou ausentes e predominam os sintomas sistémicos e inespecíficos. Surge habitualmente em crianças mais velhas e adultos. Alguns dos sintomas atípicos são:

  • atraso de crescimento
  • atraso pubertário
  • dor abdominal
  • obstipação
  • artralgias
  • alterações do ciclo menstrual nas raparigas
  • anorexia

 

Diagnóstico da doença celíaca

Nas crianças e adolescentes com sinais e sintomas sugestivos de doença celíaca a avaliação diagnóstica deve incluir a realização de exames laboratoriais (análises de sangue) e, consoante os resultados, a realização de uma biópsia intestinal através de endoscopia digestiva alta.

 

Como viver com a doença celíaca

A adesão a uma dieta isenta em glúten para toda a vida é atualmente o único tratamento cientificamente comprovado para a doença celíaca, o que implica a eliminação de trigo, centeio e cevada da dieta. Alguns estudos sugerem que a aveia é tolerada pela maior parte dos indivíduos com doença celíaca, no entanto, o seu consumo não é recomendado globalmente, tendo em conta que a aveia disponível comercialmente está, na sua maioria, contaminada com glúten.

 

A dieta sem glúten permite regenerar as lesões da mucosa intestinal e consequentemente assegurar o adequado desenvolvimento e crescimento das crianças e adolescentes, prevenindo as complicações da doença na idade adulta. Ainda assim, para não haver dúvidas diagnósticas, esta dieta só deve ser iniciada após a confirmação do diagnóstico.

 

Fontes naturalmente isentas de glúten:

  • Cereais e tubérculos: arroz, milho, mandioca, tapioca, polvilho, alfarroba, fécula de batatas
  • Carne, pescado e ovos - frescos ou congelados
  • Leite, iogurtes naturais, queijos frescos e processados de composição permitida, requeijão
  • Fruta e vegetais incluindo a batata e leguminosas (feijão, grão, ervilhas, lentilhas, soja)
  • Azeite, óleos vegetais, manteiga

 

É muito importante ler os rótulos, pois alimentos processados poderão conter glúten ou aditivos alimentares que contêm glúten.

 

Deve excluir os produtos que contemplem na sua lista de alimentos:

  • Trigo
  • Centeio
  • Cevada
  • Malte
  • Xarope de malte
  • Extrato de malte
  • Cereais (se não especificar que tem origem num cereal isento de glúten)
  • Farinha(s) (se não especificar que tem origem num cereal isento de glúten)
  • Fécula (se não especificar que tem origem num cereal isento de glúten)
  • Amido ou Amido modificado (se não especificar que tem origem num cereal isento de glúten)
  • E-1400 a E-1499
  • Fibra alimentar
  • Espessante (se não indicar qual)
  • Proteína vegetal
  • Hidrolisado de proteína
  • Hidrolisado de proteína vegetal
  • Proteína texturizada
  • Proteína vegetal texturizada
  • Levedura de cerveja
  • Extrato de levedura de cerveja

 

Pode consumir os produtos que contemplem na sua lista de alimentos:

  • Xarope de glucose
  • Glicose/glucose
  • Dextrina/dextrose
  • Maltodextrina/ Dextrina de Malte
  • Goma-arábica
  • Goma ágar-ágar
  • Goma Guar
  • Goma Xantana
  • Xantana
  • Semente de alfarroba
  • Fécula de batata
  • Farinha de arroz ou de milho
  • Amido de milho, arroz, alfarroba e de mandioca
  • Polvilho doce e azedo
  • Coalho
  • Lecitina
  • Vanilina
  • Carragenina
  • Corantes naturais ou artificiais
  • Edulcorantes

 

Não deve consumir produtos que, no final da lista de ingredientes, refiram: pode conter trigo/glúten; pode conter vestígios de trigo/glúten.