Medicina Dentária e Cirurgia Facial

Perguntas Frequentes

  1. O que são implantes e para que servem?
  2. Que tipos de implantes são colocados?
  3. Quem pode fazer implantes?
  4. Como é o pós-operatório e a recuperação?
  5. Estou a pensar engravidar. Devo ter alguma preocupação com os meus dentes?
  6. É possível realizar tratamentos dentários durante a gravidez?
  7. Posso tomar medicamentos durante a gravidez?
  8. Devo fazer consultas de higiene oral durante a gravidez?
  9. O que se faz numa consulta de higiene oral?
  10. Tenho Implantes dentários. Devo fazer uma consulta de Higiene Oral?
  11. A partir de que idade se devem iniciar estas consultas?
  12. As destartarizações estragam o esmalte?
  13. O que é a endodontia (desvitalização)?
  14. Em que consiste o tratamento endodôntico (desvitalização)?
  15. Quanto tempo dura um dente com tratamento endodôntico?
  16. Que cuidados devo ter após uma consulta de endodontia?
  17. Em que consiste um retratamento endodôntico?
  18. Em que consiste uma microcirurgia endodôntica?
  19. Que cuidados devo ter após uma microcirurgia endodôntica?

 

1. O que são implantes e para que servem?

Implantes são pequenas peças em titânio, com a forma aproximada de um parafuso roscado e que têm por objectivo substituírem a raiz de um dente perdido ou ausente, ou constituírem em número suficiente uma base de apoio para a substituição de todos os dentes da boca de forma uma fixa, segura e esteticamente próxima do natural.

 

2. Que tipos de implantes são colocados?

Atualmente não há grandes diferenças nos tipos de implantes, são geralmente roscados, em titânio de grau 4 (elevado grau de pureza), têm uma superficíe irregular, rugosa para aumentar o contacto com o tecido ósseo.

Não existe rejeição de implantes, porque o titânio tal como por exemplo o ouro tem a característica de serem biocompatíveis, ou seja, não são encarados como um corpo estranho pelo organismo humano.

 

3. Quem pode fazer implantes?

Todos os profissionais com formação cirurgica e experiência na área de Implantologia e da Cirurgia Oral, ou seja, os Cirurgiões Maxilo-Faciais, os Médicos Estomatologistas e os Dentistas.

 

4. Como é o pós-operatório e a recuperação?

A intervenção cirurgica para a colocação de um implante é uma pequena cirurgia que apesar de técnicamente diferenciada, é para o paciente muito simples. É feita com anestesia local, não mais do que a usada para tratar um dente, é indolor quer durante a mesma quer no pós-operatório, o edema é discreto ou até inexistente, não inviabilizando na grande maioria dos casos a possibilidade do paciente trabalhar e fazer a sua vida normal nesse dia.

A colocação de um implante não implica que a pessoa deixe de usar a sua prótese habitual, não fica nunca desdentada.
Em situações especiais podem-se colocar os dentes sobre os implantes no mesmo momento, e em alguns tipos de cirurgia não chega a haver pontos.
Os receios frequentes relacionados com este pequeno acto cirurgico são sempre infundados como o comprovam à posteriori a generalidade dos pacientes.

É sempre possível auxiliar os pacientes mais ansiosos com uma pré-medicação que reduz em muito os níveis de stress. É igualmente possível, caso os pacientes assim o desejem, fazer implantes com anestesia geral.

 

5. Estou a pensar engravidar. Devo ter alguma preocupação com os meus dentes?

Sim. Durante a gravidez as alterações imunológicas e hábitos alimentares podem proporcionar o despoletar de complicações na boca. 

Deve ser feita uma consulta antes de engravidar de forma a prevenir essas situações. 

A diminuição das defesas naturais do organismo manifesta-se também na boca com o aparecimento de inflamações nas gengivas e agravamento da incidência de cáries . Estas podem levar ao aparecimento de abcessos dentários mais difíceis de controlar durante a gravidez.  

 

6. É possível realizar tratamentos dentários durante a gravidez?

Sim, mas de preferência só os tratamentos urgentes. A altura ideal para a realização destes é o segundo trimestre da gravidez. 

 

7. Posso tomar medicamentos durante a gravidez?

Sim mas a medicação deve ser sempre prescrita pelo seu médico/médico-dentista. A automedicação pode trazer complicações. 

 

8. Devo fazer consultas de higiene oral durante a gravidez?

As consultas regulares de higiene oral assumem uma importância ainda maior nesta fase pois podem prevenir inflamações das gengivas. A frequência das mesmas será determinada pela sua higienista.

Simultaneamente os cuidados de higiene oral em casa devem ser redobrados de forma a prevenir o aparecimento de novas cáries. 

 

9. O que se faz numa consulta de higiene oral?

Nesta consulta faz-se o rastreio para despiste de cárie dentária, doenças das gengivas e diagnóstico de outros problemas que possa apresentar. Faz-se a remoção de tártaro e placa bacteriana através de destartarizações e alisamentos radiculares e também o polimento e jacteamento com partículas de bicarbonato de sódio para a eliminação de manchas superficiais. No caso das crianças, também se faz a aplicação de selantes de fissuras. Outros dos produtos e técnicas utilizados são a aplicação de flúor de alta concentração, produtos que diminuem a sensibilidade dentária, branqueamentos e a manutenção de reabilitações suportadas por implantes.

Os higienistas orais têm assim uma função preventiva, educacional e de modulação de hábitos adequados à condição de cada paciente, coadjuvando transversalmente o médico dentista.

As visitas regulares à consulta de Higiene Oral são um factor determinante na manutenção dos seus dentes e do seu sorriso.

 

10. Tenho Implantes dentários. Devo fazer uma consulta de Higiene Oral?

Sim. Os implantes dentários necessitam de manutenção. Essa consulta é feita pelo higienista oral sempre em contacto directo com o médico dentista responsável.

 

11. A partir de que idade se devem iniciar estas consultas?

As consultas de Higiene Oral podem iniciar-se por volta dos 4 anos de idade. Nesta fase, são consultas simples, que visam criar o hábito e promover o á vontade das crianças na cadeira do dentista. Muitas vezes, mesmo de forma inconsciente é-lhes transmitida a ideia do dentista como algo desagradável. É essa a primeira abordagem. Desmitificar a ideia da “cadeira da tortura” e tornar a vinda á consulta de Higiene Oral como algo agradável e até divertido! A nossa missão é a prevenção e conseguir ter pacientes crianças e adolescentes sem cáries! Isso é possível!

 

12. As destartarizações estragam o esmalte?

Não. A destartarização é feita de forma mecânica e manual e todos os instrumentos estão preparados par não causar danos no esmalte.

 

13. O que é a endodontia (desvitalização)?

A endodontia é já uma especialidade reconhecida em vários países da Europa, e nos E.U.A. desde 1967, vulgarmente conhecida como desvitalização de dentes. O endodontista é um médico dentista que recebeu formação especializada adicional de dois ou mais anos, após ter terminado a sua licenciatura, desenvolvendo assim competências para resolução de casos mais complexos. Tem geralmente prática clínica exclusiva ou predominante na área da endodontia.

 

14. Em que consiste o tratamento endodôntico (desvitalização)?

O tratamento consiste na desinfeção, conformação e preenchimento dos canais radiculares. Para isso, o dente é isolado com uma folha chamada dique de borracha. É realizada uma pequena cavidade na coroa do dente para aceder aos canais radiculares.? São utilizados instrumentos, denominados limas, usados manual ou mecanicamente. A desinfecção é obtida através da irrigação abundante com soluções antibacterianas. ?A finalização do tratamento faz-se com o preenchimento dos canais com um material chamado guta-percha. Terminado o tratamento endodôntico, o dente tem que ser restaurado definitivamente o mais brevemente possível.

 

15. Quanto tempo dura um dente com tratamento endodôntico?

Um dente é tratado endodonticamente com o objetivo de durar toda a vida. Contudo, é importante que o dente seja reabilitado quanto antes. Mesmo assim, um dente com tratamento endodôntico não fica imune a novas cáries. Por este motivo, é importante que sejam feitas consultas de controlo periódicas.

 

16. Que cuidados devo ter após uma consulta de endodontia?

Pode comer e beber assim que a dormência provocada pela anestesia tenha passado. O dente poderá estar sensível por alguns dias como resultado da manipulação durante o tratamento. Recomenda-se, algumas vezes, a toma de um anti-inflamatório. Siga as recomendações que lhe foram transmitidas na consulta. Contudo, se a dor se tornar severa ou na presença de algum inchaço, por favor contacte-nos de imediato.

 

17. Em que consiste um retratamento endodôntico?

O retratamento endodôntico é sempre a primeira opção quando surge um fracasso de um tratamento endodôntico prévio. O retratamento envolve a remoção dos materiais que estão a preencher os canais radiculares, nova desinfecção e conformação de todos os canais, se possível identificação e correcção dos problemas encontrados no tratamento prévio, e por fim, novo preenchimento dos canais. Trata-se geralmente de um procedimento de dificuldade elevada. Alguns problemas existentes no tratamento prévio podem não ser corrigíveis, sendo neste caso, a microcirurgia endodôntica uma alternativa. São variadas as razões pelas quais um dente pode necessitar um retratamento endodôntico: canais estreitos ou curvos que podem ter ficado por tratar, anatomia complexa dos canais que não foi detectada no primeiro tratamento, a coroa do dente pode não ter sido restaurada a tempo de evitar recontaminação bacteriana, expondo o dente a nova infeção.

 

18. Em que consiste uma microcirurgia endodôntica?

Quando os tratamentos anteriormente descritos não conseguem curar a patologia infeciosa ou, por algum motivo, têm uma contra-indicação relativa, a microcirurgia endodôntica poderá ser uma alternativa.

Trata-se de uma intervenção que envolve uma pequena incisão na gengiva para visualizar o osso subjacente e a remoção de todos os tecidos inflamados ou infetados. A extremidade da raiz é também removida, sendo colocado um material que preenche a parte terminal do canal radicular. São finalmente dados alguns pontos na gengiva para ajudar os tecidos a cicatrizarem correctamente. A cirurgia apical é realizada com o auxílio do microscópio operatório, que aumenta excepcionalmente a precisão de todos os passos, contribuindo de forma decisiva para o sucesso desta intervenção.

 

19. Que cuidados devo ter após uma microcirurgia endodôntica?

Após a intervenção, não levante ou puxe o lábio para examinar a área cirúrgica. Agressões repetidas podem atrasar a cicatrização. Ser-lhe-á dado um saco de gelo. Use-o conforme as recomendações que lhe foram sugeridas. Poderá surgir alguma nódoa negra ou inchaço na zona. A ingestão de alimentos frios e moles após a cirurgia é muito importante, principalmente durante 48h. Uma boa higiene oral é importante durante a recuperação. Use uma escova macia (pós-cirúrgica) e escove cuidadosamente. ?Durma com a cabeça ligeiramente elevada na noite após a cirurgia. Não fume nas primeiras 24 horas após a cirurgia. Algum desconforto é normalmente esperado no pós-cirúrgico. Se lhe foi dada alguma prescrição, siga as suas instruções. Na presença de sintomas inesperados, tais como sangramento abundante, inchaço excessivo, ou febre, contacte-nos de imediato.