O que é a ambliopia e como pode ser tratada?

A ambliopia ou "olho preguiçoso" é um problema de visão que afeta crianças. Pode causar baixa visão e diminuição da qualidade de vida se não for tratado precocemente.
Publicado por: CUF em 28 de Setembro 2017
Tags: ambliopia , olho preguiçoso , olhos , visão

A ambliopia, mais conhecida como "olho preguiçoso", consiste na diminuição da acuidade visual de um olho ou dos dois olhos devido a problemas no desenvolvimento da visão durante a primeira infância.

 

O que acontece?

Desde o nascimento, os olhos enviam imagens (estímulos visuais) através da retina para o cérebro (córtex visual), que as interpreta. Na ambliopia, o cérebro recebe duas imagens diferentes da mesma coisa e, como não consegue fundi-las, vai suprimir uma delas (a que está pior, desfocada, porque foi enviada pelo "olho preguiçoso") e vai ficar apenas com a outra (a que está melhor, mais nítida, enviada pelo "olho dominante" ou não amblíope). 

 

Sinais e sintomas da ambliopia

O principal sintoma da ambliopia é a dificuldade de visão da criança. No entanto, na primeira infância, a criança poderá não verbalizar o problema. Por isso, desconfie de ambliopia se:

  • A criança semicerra os olhos para tentar ver melhor;
  • A criança aproxima-se muito dos objetos para ver (por exemplo, da televisão ou dos livros).

 

Causas

A ambliopia é provocada pela falta de estimulação do córtex visual durante a infância. Isso pode acontecer por diferentes razões:

  • Estrabismo - é uma das causas mais frequentes de ambliopia. Como se caracteriza por um desalinhamento evidente dos olhos, é detetado, habitualmente, de forma precoce;
  • Refração ou diferença de graduação entre os olhos (anisometropia);
  • Cataratas congénitas (que provocam estímulo insuficiente a nível do córtex cerebral e privação de visão nos primeiros meses de vida).

 

Como tratar a ambliopia

Para corrigir a ambliopia, é preciso perceber a causa da mesma e atuar em conformidade. Assim, o tratamento poderá consistir em:

  • Uso de óculos com graduação para correção de erros refrativos, sendo que o mais frequente é a hipermetropia;
  • Oclusão: Consiste em tapar o olho dominante (o olho "não amblíope", "olho bom", que "vê melhor"), habitualmente com um penso próprio. Desta forma, pretende-se “puxar pelo olho preguiçoso”, isto é, provocar uma estimulação visual mais intensa do "olho vago", que "vê pior";
  • Cirurgia precoce das cataratas para permitir a estimulação do córtex visual.

 

Prognóstico

O sucesso do tratamento dependerá de vários fatores, designadamente:

  • Idade da criança (até aos 8 anos);
  • Precocidade do diagnóstico;
  • Gravidade da ambliopia;
  • Colaboração dos pais/família no cumprimento do tratamento prescrito pelo oftalmologista.

 

Sabia que…

A primeira consulta de oftalmologia deve realizar-se antes dos 4 anos de idade ou até mesmo antes dessa idade, caso o pediatra detete sintomas e sinais suspeitos.

 

Atenção!

Quanto mais precoce for o tratamento, mais provável será a reversão do problema e a recuperação da capacidade de visão da criança.