Impacto dos tratamentos oncológicos nas células do sangue

Os distúrbios hematológicos que podem ocorrer durante os tratamentos, o que deve fazer e os cuidados a ter
Publicado por: Sofia Azambuja Braga em
Tags: doença oncológica , glóbulos brancos , glóbulos vermelhos , plaquetas , tratamentos oncológicos , tratamentos para o cancro
Impacto dos tratamentos oncológicos nas células do sangue

As células do sangue são produzidas na medula óssea. Dentro das células do sangue estão compreendidos os glóbulos brancos, que permitem combater a infeção; os glóbulos vermelhos, cuja função é oxigenarem os tecidos; as plaquetas, que participam na coagulação do sangue.

 

Distúrbios hematológicos
As células do sangue têm uma taxa de renovação extremamente rápida e, por isso, são muito sensíveis a tratamentos como a quimioterapia. Todos estes medicamentos podem, de uma maneira mais ou menos importante, provocar uma diminuição transitória do número das células sanguíneas.
Esta queda de glóbulos brancos e plaquetas é mais acentuada entre o 7° e o 14º dia após o tratamento. Poderá ser necessário fazer análises durante o intervalo dos tratamentos.

 

Glóbulos brancos A redução do número de neutrófilos (uma variedade dos glóbulos brancos), é denominada por neutropenia. A diminuição do número de neutrófilos diminui a resistência às infeções. O principal sintoma destas infeções é a febre que, por vezes, é acompanhada de arrepios, tremores e sudorese.

 

O que fazer?

  • Em caso de febre (definida por um pico superior a 38,5ºC ou por uma temperatura superior a 38ºC durante mais de 12 horas), ou em caso de temperatura inferior a 36°C, o doente deve contactar o médico de imediato.
  • O doente deve ainda estar atento a outros eventuais sinais de infeção: tosse com expetoração, tremores, transpiração anormal, ardor ao urinar, dores abdominais associadas a diarreia, inflamação do nariz e da garganta ou rash cutâneo acompanhado de calor. Se estes sinais aparecerem, o doente deve contactar o médico de imediato.

 

Cuidados que o doente deve ter

  • Evitar o contacto com pessoas com infecções ou que apresentem uma doença infeciosa ou contagiosa, como por exemplo a rubéola, a varicela ou a gripe.
  • Evitar o frio.
  • Evitar tarefas que possam provocar cortes nas mãos.

 

Glóbulos vermelhos A redução do número de glóbulos vermelhos é chamada anemia. Na maioria das vezes, está ligada a uma produção mais lenta de glóbulos vermelhos. As consequências são: grande fadiga, tonturas e dificuldade em respirar quando faz um esforço.

 

O que fazer?

  • O doente deve reportar ao médico toda a fadiga, tonturas e dificuldade em respirar. Este dirá se é ou não necessário fazer uma transfusão ou tratamento medicamentoso para estimular a produção de glóbulos.
  • O doente não se deve esforçar em caso de fadiga.


 

As plaquetas A redução do número de plaquetas é chamada trombocitopenia. A sua consequência é uma maior fluidez do sangue o que faz com que o risco de hemorragia seja maior.
Como sintomas, o doente pode apresentar pequenas manchas vermelhas na pele ou hematomas que aparecem sem razão aparente ou após pequenos traumas. Pode também apresentar sangramento das gengivas, pelo nariz e às vezes pode aparecer sangue na urina e nas fezes.

  • Se estes sintomas surgirem, o doente deverá prevenir o seu médico. Necessitará de fazer análises e eventualmente transfusão de plaquetas.


 

Cuidados que o doente deve ter

  • Fazer a barba com máquina e não com lâmina;
  • Utilizar uma escova de dentes macia;
  • Evitar atividades que podem provocar cortes;
  • Evitar os medicamentos que atuam sobre a coagulação, especialmente os que contêm aspirina, exceto quando prescritos pelo seu médico.