Cirurgia Geral

Laparoscopia - Cirurgia Minimamente Invasiva

O que é a Laparoscopia?

A laparoscopia é uma técnica cirúrgica mini-invasiva que permite fazer procedimentos cirúrgicos na cavidade abdominal e pélvica. Quando aplicada ao tórax é chamada toracoscopia.

Na atualidade a maioria dos procedimentos da cirurgia geral podem ser executados pela técnica laparoscópica.

A laparoscopia tem por definição: ser menos agressiva, condicionar menos dor, permitir recuperação pós-operatória mais rápida, implicar internamento mais curto e, assim o cliente estar apto para as atividades pessoais, familiares, sociais e profissionais mais precocemente.

Foi em 1989, na Europa, que se realizou a primeira colecistectomia pela técnica laparoscópica. Em Portugal ocorreu em 1991.

 

Como é realizada uma Laparoscopia?

A técnica laparoscópica aproveita a tecnologia das fibras óticas com a vídeo-câmara e uma fonte de luz para visualizar as estruturas anatómicas intra abdominais. Para que tal seja possível é necessário criar um espaço intra abdominal com o pneumoperitoneu (através da insuflação de dióxido de carbono dentro da cavidade peritoneal). O procedimento cirúrgico através da laparoscopia utiliza pequenas incisões (tamanho aproximado de 5 a 12 mm) através da parede abdominal/pele. De acordo com a cirurgia a realizar estas incisões são de 3 a 6. Por vezes para remover a "peça operatória -órgão doente" é necessário fazer uma incisão maior que por motivos estéticos elegemos a região abaixo do umbigo/supra púbico.

A laparoscopiaexige sempre anestesia geral, no entanto, não altera a possibilidade de internamento curto e potencial alta até às 24 horas.

 

Quais os procedimentos cirúrgicos efetuados por Laparoscopia?

A laparoscopiaé frequentemente utilizada nos seguintes procedimentos cirúrgicos:

  • Correção da doença de refluxo gastro-esofágico/hérnia do hiato
  • Correção da acalásia
  • Cirurgia da obesidade
  • Colecistectomia - Ex.: cirurgia da litíase da vesícula biliar
  • Esplenectomia - cirurgia do baço
  • Cirurgia do intestino delgado - Ex.: Doença de Crohn
  • Cirurgia do apêndice - apendicectomia
  • Cirurgia do cólon e reto - neoplasia cancro do cólon e reto, pólipo do cólon e doença diverticular
  • Laparoscopia de diagnóstico - para biópsias, Ex.: hepática ou de gânglios linfáticos
  • Laparoscopia de estadiamento oncológico
  • Cirurgia ginecológica - cirurgia dos ovários, trompas e/ou útero. Ex.: cirurgia da endometriose
  • Cirurgia da parede abdominal - tratamento de hérnias
  • Cirurgia das glândulas suprarrenais

 

Esta técnica também pode ser utilizada noutros procedimentos, nomeadamente:

  • Cirurgia do estômago - gastrectomia
  • Cirurgia do pâncreas e fígado
  • Cirurgia urológica

 

A realização da da laparoscopia nas melhores condições implica blocos operatórios equipados com tecnologia moderna, equipas cirúrgicas competentes e experientes com treino adequado sendo o papel do cirurgião decisório, como acontece no Hospital CUF Infante Santo.

 

Quem é candidato à Laparoscopia?

Quase todas as pessoas podem ser candidatosa uma laparoscopia, mas genericamente existem contraindicações, como: alterações da coagulação sanguínea, doenças hepáticas graves, problemas cardiopulmonares graves e/ou múltiplas cirurgias abdominais anteriores. E situações particulares especificas da doença e do doente cuja decisão de fazer o procedimento deve ser do cirurgião. Por vezes a cirurgia laparoscópica é convertida - isto é, o cirurgião decide converter a cirurgia em laparotomia (incisão da pele maior), as razões podem ser técnicas ou anatómicas, mas têm sempre como desígnio o melhor para o doente.

 

Outras técnicas cirúrgicas mini invasivas

  • L.E.S.S.

A técnica cirúrgica abdominal por porta única - também dita L.E.S.S. ou cirurgia sem cicatrizes - é por excelência uma abordagem técnica mini invasiva. É diferente da laparoscopia convencional na medida em que utiliza uma única pequena porta/incisão dentro do umbigo. Esta técnica implica alguns instrumentos e dispositivos específicos, sendo que a experiência atual está limitada a alguns procedimentos cirúrgicos (como, por exemplo, acolecistectomia e alguns procedimentos cirúrgicos para doenças do cólon e obesidade).

  • T.EM., T.E.O. e T.A.M.I.S.

As cirurgias transanais -designadas por T.E.M. (Transanal Endoscopic Microsurgery), T.E.O. (Transanal Endoscopic Operations) ou TAMIS (Trans Anal Minimally Invasive Surgery) - são por primazia técnicas cirúrgicas mini-invasivas. Permitem excelentes resultados no tratamento cirúrgico de algumas lesões do canal anal e reto, nomeadamente de pólipos e tumores/cancros.