O seu filho está (mesmo) atento quando atravessa a rua?

Estudo comprova: a falta de atenção ao atravessar a rua é muito comum entre crianças e adolescentes.
Publicado por: CUF em
Tags: atropelamentos , consolas portáteis , headphones , segurança pedestre , segurança rodoviária , telemóvel

A Safe Kids Worldwide, uma organização dedicada a temas relacionados com segurança das crianças e adolescentes, divulgou, em Agosto de 2014, que Setembro - a altura do clássico "regresso às aulas" - é o mês do ano em que ocorrem mais atropelamentos de crianças e adolescentes nos EUA.

A mesma organização divulgou também um estudo intitulado "Teens and Distraction: An in-depth look at teens’ walking behaviors", que envolveu a observação do comportamento de 34,325 crianças e adolescentes quando atravessavam a rua perto da escola. De salientar que nos EUA, ao longo dos últimos cinco anos, o número de atropelamentos de pedestres entre os 16 e os 19 anos aumentou 25%.

 

E em Portugal?

De acordo com dados da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR), entre 2010 e 2011 foram atropeladas 2640 crianças - sendo a faixa etária entre os 10 e os 14 anos a mais afetada. Dados divulgados em Agosto de 2014 pela mesma fonte referem que a sinistralidade rodoviária envolvendo crianças até aos 14 anos tem vindo a diminuir em Portugal, sendo que, em 2013, este grupo etário foi o que apresentou o menor número de vítimas mortais (1,2%) e de feridos graves (4,6%). Mais de 80% das vítimas eram peões ou passageiros de automóveis ligeiros e a maior parte dos acidentes resultou de atropelamentos ou colisões ocorridos em zonas urbanas.

 

Pare, escute e olhe

As principais conclusões do estudo da Safe Kids Worldwide, que partilhamos a seguir, são um alerta aos pais, que devem aproveitar o início de mais um ano letivo para conversarem com os filhos sobre os perigos que correm quando atravessam a rua distraídos e ensinar-lhes (ou relembrar-lhes) as regras elementares de segurança. Porque, ainda para mais, quem conduz também pode estar distraído.

 

6 factos que este estudo apurou e que deve conhecer

  • 1 em cada 5 estudantes entre os 15 e os 18 anos foram observados a atravessar a rua distraídos;
  • 1 em cada 8 estudantes entre os 10 e os 14 anos atravessavam a rua sem tomar atenção;
  • Os adolescentes que atravessavam a rua distraídos encontravam-se, na sua maioria, a enviar mensagens pelo telemóvel (39%) ou a usar headphones (39%);
  • 20% estavam a falar ao telemóvel e 2% estavam a jogar numa consola portátil;
  • De acordo com este estudo, as raparigas tendem a estar mais distraídas que os rapazes quando atravessam a rua, mas a taxa de mortalidade de pedestres é mais elevada nos rapazes;
  • A pesquisa também apurou que a probabilidade dos pré-adolescentes e adolescentes estarem distraídos é maior quando existe um semáforo - a noção de que existe uma maior segurança pode levar a que se corram mais riscos.

 

Prevenção: 6 conselhos essenciais

  1. Esperar que o sinal para os peões esteja verde, atravessar sempre na passadeira e olhar para os dois lados antes de se avançar são regras básicas que os pais devem transmitir à criança desde muito cedo e que esta deve cumprir intuitivamente;
  2. Os pais devem explicar aos filhos que é essencial estarem atentos ao que se passa à sua volta quando atravessam a rua e falar-lhe dos perigos e consequências das distrações - deles e dos automobilistas "distraídos";
  3. Muitos atropelamentos dão-se quando os carros estão a fazer marcha atrás, pois podem não conseguir ver a criança (dada a baixa estatura desta). Reforce que é preciso estar ainda mais atento nestas situações;
  4. Segundo a Safe Kids Worldwide, quando o seu filho se tornar adolescente, é importante explicar-lhe que deve estabelecer contacto visual com os condutores antes de atravessar a rua;
  5. Os pais devem reforçar a importância das crianças e adolescentes não estarem a conversar ao telemóvel, a enviar mensagens ou a ouvir música nos headphones enquanto atravessam a rua (se não desligarem o aparelho devem, pelo menos, baixar a música e retirar os headphones dos ouvidos);
  6. Dê o exemplo: não use o telemóvel nem ouça música enquanto atravessa a rua!

 

Atenção!

Quando transportar os seus filhos no carro, não se esqueça de lhes colocar sempre o cinto de segurança (e de usá-lo também) e de cumprir todas as normas exigidas no que toca a cadeirinhas/bancos. E, já agora, evite falar ao telemóvel enquanto conduz (se for mesmo essencial use auriculares ou ponha o aparelho em alta voz). Não troque mensagens escritas nem esteja a ler emails ou a ver o Facebook enquanto espera que o sinal fique verde para os automobilistas. Uma simples distração pode ser fatal.