Verão: cuidado com as intoxicações alimentares!

O que deve privilegiar e abolir da sua alimentação nos dias de calor
Publicado por: CUF em
Tags: bactérias , calor , dores de estômago , intoxicações alimentares , vómitos
Intoxicação alimentar no verão

Com o verão chega o calor, os dias de praia e os piqueniques… Nesta altura, as pessoas optam por aproveitar o bom tempo, fazerem algumas refeições fora de casa, ir de férias... Mas é importante recordar que é preciso ter alguns cuidados. Com as temperaturas elevadas, os alimentos tendem a deteriorar-se com mais facilidade, o que aumenta o risco de intoxicação alimentar.

 

O que é uma intoxicação alimentar?

A intoxicação alimentar ocorre quando os alimentos não são mantidos suficientemente frios para impedir o aparecimento de bactérias. Os alimentos, ao serem "atacados" por estas bactérias, provocam uma reação quando ingeridos, que se pode traduzir em diarreia, náuseas, vómitos, dores de estômago e, por vezes, febre alta. Geralmente, os sintomas começam a surgir entre quatro a 36 horas após a ingestão dos alimentos contaminados. Alguns grupos são mais suscetíveis ao risco de intoxicação alimentar, designadamente crianças, seniores e grávidas. 

Apesar de nenhum alimento estar "livre" de ser atacado por estas bactérias, alguns são mais perecíveis do que outros e, por isso, evitar a sua ingestão poderá ajudar a precaver uma intoxicação. 

 

Alimentos a evitar em dias quentes

  • Ovos
  • Iogurtes
  • Leite
  • Marisco
  • Fiambre, mortadela e produtos similares
  • Patés
  • Queijos macios 
  • Sanduíches pré-embaladas

 

O que privilegiar

Mas para além do que devemos evitar é importante privilegiar a ingestão de alguns produtos, nomeadamente a água. O consumo de água é essencial, principalmente nos dias mais quentes, para evitar a desidratação. Os sumos de frutas naturais são também uma opção saudável.

Entre os alimentos que correm menos riscos de serem contaminados e que são ideais para algumas situações, como uma ida à praia, destacam-se a fruta, o pão, as bolachas e outros alimentos secos. Deve transportar e conservar os alimentos que estavam no frigorífico numa geleira.

 

Outras medidas para evitar uma intoxicação alimentar

Em simultâneo, há medidas que podem ser incluídas no dia a dia de cada um para ajudar a minimizar o risco de intoxicação alimentar:

1. Lavar regularmente as mãos é essencial para impedir que as bactérias proliferem

2. Prefira alimentos frescos

3. Não consuma ovos ou carne de aves que não estejam totalmente cozinhados

4. Lave cuidadosamente os alimentos que vão ser consumidos crus

5. Os alimentos crus devem estar sempre separados dos cozinhados e devem ser sempre guardados no frigorífico

6. Após serem confecionados, os alimentos devem ser consumidos num curto espaço de tempo. Guarde o que sobrar no frigorífico, num recipiente fechado

 

Quando ir ao médico

De acordo com os especialistas da Mayo Clinic, deve procurar ajuda médica em caso de:

  • Episódios de vómitos que interferem com a capacidade de reter os líquidos
  • Vomitar sangue
  • Diarreia grave durante mais de três dias
  • Sangue nas fezes
  • Dor extrema
  • Cólicas abdominais
  • Sinais ou sintomas de desidratação: sede excessiva, boca seca, fraqueza, tonturas
  • Dificuldade em falar
  • Dificuldade em engolir
  • Visão dupla

 

Atenção!

Se viajar para um país exótico deve tomar precauções acrescidas para evitar intoxicações alimentares (como beber sempre água engarrafada, por exemplo). Marque uma consulta do viajante para ter acesso a todas a informação de que precisa para garantir uma estadia em segurança.