Hospital CUF Viseu inova na cirurgia laparoscópica e minimamente invasiva


O Hospital CUF Viseu realizou as duas primeiras intervenções cirúrgicas de exploração das vias biliares por via laparoscópica. De forma simplificada, foi possível remover, através de pequenas incisões, a vesícula biliar, assim como os cálculos (vulgo pedras) que estavam alojados, também na via biliar. Esta nova técnica traduz-se num avanço em relação à usada anteriormente, dado que já não é necessária uma cirurgia de "via aberta", diminuindo o tempo de recuperação do doente e as complicações associadas ao período pós-cirúrgico, passando a ser possível realizar dois procedimentos num único momento.

 

A intervenção cirúrgica realizada recentemente no Hospital CUF Viseu consistiu em remover, por técnica minimamente invasiva, não só a vesícula biliar, mas também os cálculos que migraram da vesícula e estavam alojados na via biliar, ou seja, nos canais que conduzem a bílis do fígado para o duodeno. Esta intervenção, denominada de Colecistectomia com Exploração da Via Biliar por laparoscopia, é um procedimento minimamente invasivo e considerado avançado dentro da cirurgia biliar.

Esta intervenção está indicada quando existem simultaneamente cálculos na vesícula e na via biliar. Nestes casos, os cálculos, ou pedras na vesícula e vias biliares causam, além de dores, icterícia por obstrução do canal biliar, podendo mesmo causar pancreatite aguda.

 

Carlos Daniel, coordenador da equipa de Cirurgia Geral do Hospital CUF Viseu, explica: "esta cirurgia era fundamentalmente realizada por via aberta. Com a implementação da cirurgia laparoscópica, removia-se a vesícula e associadamente realizava-se, um procedimento endoscópico, denominado CPRE (ColangioPancreatografia Retrógrada Endoscópica) para remover os cálculos dos canais biliares. Isto implica dois procedimentos, quase sempre em dois internamentos. Com o progresso da cirurgia minimamente invasiva, é agora possível não só remover a vesícula, mas também tratar os cálculos da via biliar, num só tempo e totalmente por laparoscopia", evitando, assim, uma CPRE.